Refletir para ressignificar

Refletir para ressignificar

Patricia Schiaveto e Yonara Santana*

10 de novembro de 2020 | 16h20

Patricia Schiaveto e Yonara Santana. FOTOS: ARQUIVO PESSOAL

Os problemas das empresas e da sociedade estão cada vez mais complexos. Acreditar que a solução virá como uma receita de bolo é, no mínimo, ingênuo. Assim, pensar de maneira diferente, ou inovar – para usar uma linguagem mais atual –, é preciso. E, aqui, não estamos falando somente sobre tecnologia e técnicas de marketing para atrair, satisfazer ou criar necessidades no público. Estamos falando sobre inovação baseada em reflexão.

Tratar necessidades complexas exige conhecimento, estudos, testes e ajustes. Técnicas inovadoras como design sprints e metodologias ágeis utilizam etapas como essas. E por que não incentivarmos esse processo com clientes e parceiros?

Pensando nisso, durante a quarentena, convidamos diversos especialistas e criamos uma série de eventos on-line em nosso escritório para contextualizarmos de maneira mais profunda e reflexiva o cenário pandêmico e discutir de que forma, com muita resiliência, podemos enxergar oportunidades, apesar das adversidades. Nossa intenção não foi propor soluções, tampouco analisar o aspecto jurídico das situações, o que é nossa especialidade, mas servir de palco para a ponderação conjunta de atores de diversos mercados.

E esse é apenas um exemplo de como podemos tratar problemas complexos. A ideia foi a de, juntos, refletirmos sobre o momento, estudarmos possibilidades para, eventualmente, testarmos novas alternativas. A proposta vai ao encontro do pensamento complexo proposto pelo filósofo Edgar Morin, que sugere encararmos o mundo como um todo indissociável por meio de uma abordagem multidisciplinar para a construção do conhecimento.

Se até então o marketing de conteúdo era um aliado das organizações, agora ele se tornou uma ferramenta essencial para a sobrevivência de qualquer companhia – de maneira estruturada ou não. Fornecer informações, dados, estatísticas e caminhos para que nossos parceiros e clientes possam refletir sobre suas alternativas tornou-se vital para o negócio. Debruçar-se sobre isso por meio de uma análise crítica e inteligente também.

Estarmos prontos para discutir questões sobre negócios, mercados e problemas que extrapolem o meio jurídico é um diferencial. Em um mundo hiperconectado, multidisciplinar e multiplataforma, temos a certeza de que, como indivíduos, devemos nos tornar “pontes”. Se a essência do mercado de serviços é ser um facilitador e um parceiro de negócios, que o façamos com criatividade, empatia e comprometimento, oferecendo inteligência por meio do compartilhamento de conhecimentos que antecipem necessidades, tendências, cenários e viabilizem novas perspectivas.

Acreditamos que a excelência nos serviços é resultado de bastante trabalho e dedicação de muitas pessoas que, juntas, colaboram para o alcance de um objetivo comum, alinhadas por uma mesma visão: a de enxergar possibilidades e, por meio da proatividade, buscar novas oportunidades e soluções capazes de romper paradigmas.

Acreditamos na capacidade da humanidade de evoluir diante das transformações e, sem dúvida, enfrentamos uma das maiores no momento. Cabe a cada um de nós o exercício de ressignificar o futuro que nos espera.

*Patricia Schiaveto é coordenadora de comunicação externa do Machado Meyer; Yonara Santana é analista sênior de comunicação externa do Machado Meyer

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.