Rede, Podemos e PSB vão ao Supremo contra nota de R$ 200

Rede, Podemos e PSB vão ao Supremo contra nota de R$ 200

Partidos alegam que nova cédula facilitaria crimes de ocultação e lavagem de dinheiro e apontam 'ingenuidade' do Banco Central ao supor que transações criminosas passariam sempre pelo sistema bancário

Paulo Roberto Netto

22 de agosto de 2020 | 14h03

A Rede Sustentabilidade, o Podemos e o PSB ingressaram juntos com ação ao Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender ato do Conselho Monetário Nacional (CNM), vinculado ao Banco Central, que aprovou o lançamento e circulação da nota de R$ 200. A previsão é que a nova cédula comece a circular no final deste mês.

Os partidos alegam que o ato do Banco Central foi ‘precipitado’ e ‘não apresentou nenhum estudo ou documento estruturado que trouxesse de forma aprofundada as razões e implicações’ da nova cédula de R$ 200. Mais do que isso, as três siglas apontam que a introdução de uma nota com alto valor de face pode favorecer crimes de ocultação e lavagem de dinheiro.

“Parece evidente que o aumento do valor de face do papel-moeda possui, sim, relevante papel para a criminalidade. Basta pensar que o transporte de numerário por fora do sistema financeiro e dos controles estatais ficará facilitado. Afinal, se ficará mais fácil e econômica a logística operada pelo sistema financeiro formal – um dos argumentos defendidos pelo Banco Central do Brasil – da mesma forma ocorrerá com as atividades ilícitas”, afirma os partidos.

As legendas dizem ainda que, ‘com o devido respeito’, o Banco Central agiu com ‘ingenuidade’ ao supor que ‘transações ilegais e oriundas de atividades criminosas passariam sempre pelo sistema bancário e deixariam todos os registros formalizados’.

“O que se tem, portanto, é a completa ausência de justificativa técnicas ou fundamentações adequadas para o ato ora questionado, que produz efeitos graves e permanentes em alegada resposta a circunstâncias temporárias”, apontam a Rede, Podemos e PSB. “E, ainda, sem analisar seus reflexos para a política de combate à criminalidade, o que parece ser evidente pela própria ausência de manifestação sobre o tema, até o momento, do Ministério da Justiça e da Segurança Pública”.

O caso está sob relatoria da ministra Cármen Lúcia. Os partidos pedem que seja deferida uma liminar para suspender o ato do Banco Central pela produção e circulação da nova nota de R$ 200 e que no mérito a Corte considere a medida inconstitucional.

Fachada da sede do Banco Central, em Brasília. Foto: André Dusek / Estadão

A cédula de R$ 200 foi anunciada em julho pelo Banco Central e será estampada pelo lobo-guará. O BC justificou a medida como forma de atender uma maior demanda por papel moeda, surgida entre a população durante a pandemia do novo coronavírus.

Segundo o banco, entre fevereiro, período anterior à pandemia do novo coronavírus, até junho, o papel moeda em poder do público saltou de R$ 210 bilhões para R$ 270 bilhões – é o maior valor da série histórica do Banco Central, iniciada em dezembro de 2001.

De acordo com o chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, o aumento do papel moeda nas mãos do público nos últimos meses foi causado pela demanda da população com a liberação do auxílio emergencial mensal de R$ 600 pelo governo, durante a pandemia.

COM A PALAVRA, O BANCO CENTRAL DO BRASIL
O Banco Central não comenta.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: