“Enchia mochilas de dinheiro”, diz motorista de ex-diretor da Dersa

“Enchia mochilas de dinheiro”, diz motorista de ex-diretor da Dersa

Em entrevista ao Estado, Pedro Alcântara, 54, afirma ter sido suposto ‘laranja’ de Pedro da Silva, preso preventivamente na Operação Pedra no Caminho

Luiz Vassallo

20 de julho de 2018 | 11h09

Reprodução de transações do motorista a Pedro da Silva identificados pelos investigadores

Às 15 para seis da manhã de 21 de junho, Pedro Alcântara Brandão Filho, 54 anos, motorista, morador da Avenida Irecê, no bairro da Guarapiranga, foi surpreendido pela PF batendo à sua porta. “Eles vieram com mandado de busca, né? Aí, o delegado se identificou, falou o que precisava e, aí quando falou que era da Operação Lava Jato… Quero dizer, Lava Jato não, né? Da Dersa, né?”.

‘Não podemos cometer injustiça’, diz Alckmin sobre prisão de ex-secretário

Ele era um dos alvos da Operação Pedra no Caminho, que mira supostos desvios de R$ 600 milhões da Dersa, em obras do Rodoanel Trecho Norte. Logo que entraram, todavia, os federais perceberam que não encontrariam a bagatela com o motorista.

Procuradora aponta ‘sucessão de atos criminosos dentro da Dersa’

“Viram que era uma casa humilde, aí eles pediram desculpa e o delegado virou para mim e falou: É, o senhor entrou como laranja”, afirmou.

PF pega R$ 100 mil em dinheiro vivo com alvo de fraudes no Rodoanel

Braço da Lava Jato em São Paulo, a Pedra no Caminho levou para a cadeia dois ex-dirigentes da Dersa: Pedro da Silva e Laurence Casagrande Lourenço, que chegou a ser secretário de Transportes e Logística do governo Alckmin. O motorista diz ter trabalhado para a mulher de Pedro da Silva. “Eu levava as crianças”, conta, referindo-se aos filhos do casal.

Laurita mantém na prisão ex-secretário de Transportes de Alckmin por desvio de verbas no Rodoanel

Os investigadores queriam saber por que o motorista, que tirava R$ 2 mil por mês, fez depósitos de até R$ 50 mil nas contas de Pedro da Silva – o ex-diretor chegou a girar R$ 50 milhões, segundo dados bancários. É que além das crianças, explicou Pedro, ele supostamente também transportava ‘valores altos’ para o casal. “Já cheguei a encher mochilas”.

“O dinheiro da obra está indo embora e não tá voltando”

Ele relatou, em entrevista exclusiva ao Estado que era orientado a informar aos bancos que a dinheirama – em 12 depósitos, foram R$ 253 mil pelas mãos do motorista – tinha como origem a venda de gado do casal e que a recebia das mãos da mulher de Pedro da Silva, Adriane. “E na declaração eu colocava que era referente à venda de gado, mas eu não sabia que origem era, né?”.

“Eu fui como laranja nessa história”, afirma.

ESTADÃO: O Sr. trabalhava para ele?

PEDRO ALCÂNTARA: Isso. Eu fui motorista da esposa dele.

ESTADÃO: Por quanto tempo?

PEDRO ALCÂNTARA: Eu trabalhei 3 anos e 8 meses. Quatro anos. De 1994 a 1998. Quando ele era presidente da Dersa.

ESTADÃO: Em 2013, o Sr. não chegou a trabalhar para ele?

PEDRO ALCÂTARA: Não, eu tava lá ainda. Estava saindo. Eu sempre fui motorista dele. EU trabalhei de 2012 a 2015.

ESTADÃO: Como era a sua relação com ele?

PEDRO ALCÂNTARA: Eu o via muito pouco. Era mais de fim de semana. Sábado.

ESTADÃO: Qual era o serviço que o Sr. prestava para a esposa dele?

PEDRO ALCÂNTARA: Eu levava as crianças para a escola.

ESTADÃO: O Sr. conhece as empresas SCJ Agro e Star Bar, em nome de Pedro da Silva, que são suspeitas de lavagem de dinheiro?

PEDRO ALCÂNTARA: A Star Bar seria um bar e restaurante, que era dele também, mas era mais a esposa dele que comandava. E a SCJ é uma uma fazenda que ele tem lá em Bofete.

ESTADÃO: Ele usa comercialmente essa fazenda?

PEDRO ALCÂNTARA: Eu creio que sim. ele cria gado.

ESTADÃO: Tem um relatório da investigação que ele mostra que, por exemplo, o Sr. como depositante de valores em espécie…

PEDRO ALCÂNTARA: Isso, isso, valores altos!

ESTADÃO: Do que se tratavam esses depósitos?

PEDRO ALCÂNTARA: Foi isso que a Polícia perguntou para mim, né? Era um dinheiro que a esposa dele me dava e eu nunca cheguei a perguntar. Eu levava, era só portador do dinheiro. Nunca perguntei.

ESTADÃO: A esposa te pedia? Ela te entregava o dinheiro?

PEDRO ALCÂNTARA: Isso. Entregava

ESTADÃO: Em que tipo de recipiente?

PEDRO ALCÂNTARA: Não era em envelope, não. Era dentro de pastas, mochilas.

ESTADÃO: Mochilas?

PEDRO ALCÂNTARA: Já cheguei a encher mochila, porque o valor era muito alto.

ESTADÃO: E o Sr. não conhecia a origem disso?

PEDRO ALCÂNTARA: Ela só falava que era da fazenda, mas eu não perguntei. Eu só perguntei uma vez porque eu fui depositar na Caixa Econômica e eles pediram meu CPF. Eu perguntei. Estranhei e falei para ela. Falei: Olha, dona Adriane, eles pediram meu CPF. E ela respondeu: Não, isso é só para controle mesmo porque o Sr. é portador do dinheiro. Aí, não deu em nada, mas eu fiquei com medo, assim, né? Era muito dinheiro, né? Valores altos!. Ela falou uma vez que era folha de pagamento lá da Fazenda. Não perguntava mais nada, né?

ESTADÃO: Como o Sr. levava o dinheiro?

PEDRO ALCÂNTARA: Eu levava de carro. A gente tinha que procurar direto o gerente do banco. Várias vezes, eles me perguntavam. E eu falava que era da fazenda, referente à venda de gado. Porque eu tinha que fazer uma declaração. E na declaração eu colocava que era referente à venda de gado, mas eu não sabia que origem era, né?

ESTADÃO: Depois que deixou de trabalhar, sofrer ameaças?

PEDRO ALCÂNTARA: Não, não tenho nada contra eles.

ESTADÃO: Muita gente aparece depositando valores altos. Você conhece essas pessoas?

PEDRO ALCÂNTARA: Essa menina aí era secretária da fazenda, essa Juceleine, e o Sr. Valmir dos Santos era Administrador da fazenda. Inclusive ele que depositou mais dinheiro, né? Só tive contato com a menina da fazenda que eu que eu tive com ela, mas não a conheço.

ESTADÃO: O Sr. foi alvo de busca e apreensão. Como foi?

PEDRO ALCÂNTARA: Meu celular ficou preso com eles. Eles disseram que depois de um mês eles devolveriam, para saber se eu tinha contato com alguma coisa, né? Mas, graças a deus, eu fui como laranja nessa história.

ESTADÃO: E como foi acordar com a PF na sua porta?

PEDRO ALCÂNTARA: Pra mim foi uma surpresa, porque eu tenho 54 anos de idade e nunca passei por isso na minha vida. A Polícia chegar dentro da minha casa às 6 horas da manhã, 15 para as 6. Eles vieram com mandado de busca, né? Aí, o delegado se identificou, falou o que precisava e, aí quando falou que era da Operação Lava Jato… Quero dizer, Lava Jato não, né? Da Dersa, né? Entraram na minha casa, viram que era uma casa humilde, aí eles pediram desculpa e o delegado virou para mim e falou: É, o Sr. entrou como laranja. Aí eu expliquei para ele que eu trabalhei para ele, ele me pedia para fazer esses depósitos, mas eu nunca perguntei do que era, né?

COM A PALAVRA, O ADVOGADO CÁSSIO CUBERO, QUE DEFENDE PEDRO DA SILVA

A fundamentação para a prisão é insubsistente, pois não há qualquer risco às investigações, pelo fato do Sr Pedro ter sido exonerado há mais de trinta dias e também porque as provas já foram colhidas.

O Sr Pedro faz jus a liberdade provisória pois manifestou demoradamente em seu depoimento, contribuindo totalmente para elucidação dos fatos, as empresas que tem ou que teve, foi sempre em nome próprio e a alegação de que algumas seriam fantasmas cai por terra com simples pesquisa no TRT ou no TJSP, onde se constata vários processos trabalhistas, cobrança e outros.

Estamos reunindo documentação necessária para comprovar os lastros financeiros relacionados as empresas, o Sr. Pedro sempre foi empreendedor, sempre em nome próprio, jamais usou nome de terceiros para empreender, justamente por se tratar de atividade licita. Já trabalhou com eventos, farmácia, bar, restaurante e produção rural, hoje desenvolve apenas a atividade de produtor rural, venda e compra de gado e leite.

COM A PALAVRA, ALCKMIN

O presidente nacional do PSDB, Geraldo Alckmin, reitera seu total apoio às investigações. Se houve desvio, Alckmin defende punição exemplar. Caso contrário, que o direito de defesa prevaleça. Com relação ao caso mencionado pela reportagem, o ex-governador de São Paulo reforça que todas as informações solicitadas foram prestadas pela DERSA ao TCU, que ainda não julgou o caso.

COM A PALAVRA, DERSA

A DERSA – Desenvolvimento Rodoviário S/A e o Governo de São Paulo são os maiores interessados acerca do andamento do processo. Havendo qualquer eventual prejuízo ao erário público, o Estado adotará as medidas cabíveis, como já agiu em outras ocasiões.