Receita pega 777 quilos de cocaína em carga de óleo de laranja no porto

Receita pega 777 quilos de cocaína em carga de óleo de laranja no porto

Ação realizada na sexta, 15, no interior de um terminal de contêineres em Santos, no litoral paulista, intercepta embarque da droga para o porto de Roterdã, na Holanda

Redação

18 de novembro de 2019 | 14h21

Receita pega 777 quilos de cocaína em carga de óleo de laranja no porto. Foto: Receita Federal

Em uma ação realizada na sexta, 15, no interior de um terminal de contêineres situado no porto de Santos, litoral paulista, equipes da Receita localizaram 777 kg de cocaína escondidos em uma carga de óleo de laranja destinada à Europa.

A carga regular era composta por óleo de laranja em tambores, cujo destino final seria o porto de Roterdã, na Holanda.

Ela foi selecionada para conferência através de critérios objetivos de análise de risco, incluindo a inspeção não intrusiva por escâner, sendo que houve alguns contêineres foram escaneados mais de uma vez.

Receita pega 777 quilos de cocaína em carga de óleo de laranja no porto. Foto: Receita Federal

Aberto, no interior de um contêiner de vinte pés, foram localizadas, sobre os tambores e próximo às portas, diversas bolsas esportivas contendo vários tabletes coloridos embalando uma substância branca que revelou ser cloridrato de cocaína, totalizando 777 kg.

Em função das características observadas na operação, suspeita-se ter ocorrido a técnica criminosa denominada ‘rip-on/rip-off’, em que a droga é inserida em uma carga lícita sem o conhecimento dos exportadores e importadores.

A droga interceptada pela Receita foi entregue à Polícia Federal, que acompanhou a operação a partir de sua localização e prosseguirá com as investigações a partir das informações fornecidas pela Alfândega.

Receita pega 777 quilos de cocaína em carga de óleo de laranja no porto. Foto: Receita Federal

Tudo o que sabemos sobre:

CocaínaPorto de SantosReceita Federal

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: