Receita alerta para ‘Golpe do Amor’

Receita alerta para ‘Golpe do Amor’

Fisco tem recebido cada vez mais ligações de vítimas, em sua maioria mulheres que têm de fazer depósitos em dinheiro em troca de bens e benefícios

Julia Affonso e Luiz Vassallo

24 de julho de 2017 | 12h34

Suposto anel de noivado. Foto: Receita

Conversa entre vítima e golpista. Foto: Receita

A Alfândega da Receita no Aeroporto Internacional de São Paulo em Guarulhos/Cumbica alertou nesta segunda-feira, 24, que vem recebendo ‘um número crescente de ligações’ de vítimas do ‘Golpe do Amor’ ou ‘Don Juan’. O golpe, geralmente, tem início por meio de redes sociais e culmina na exigência de valores para que as vítimas tenham acesso a bens e dinheiro em espécie supostamente retidos no Aeroporto.

As informações foram divulgadas pela Assessoria de Comunicação Institucional da Receita em São Paulo.

Segundo a Receita, os golpistas criam perfis falsos nas redes sociais, passando-se por estrangeiros em boas condições financeiras e com empregos prestigiados e estáveis. Após envolverem emocionalmente a vítima, declaram-se ‘apaixonados’ e prometem o envio de bens diversos do exterior por via postal ou por meio de um viajante.

NO BLOG AGORA: + Colegas de Moro reagem a ‘atitudes ofensivas’ de colegas de Lula

Muitos queriam fim do governo Dilma e não da corrupção, diz procurador da Lava Jato

‘Assunto relacionado com o contato do escritório com o juiz’

A Receita em Guarulhos já recebeu relatos de casos em que os estelionatários fizeram propostas de casamento e anunciaram que mandariam caixas contendo presentes diversos, como óculos, bolsas, celulares, anéis de ouro para o “noivado”, documentos pessoais e, em muitos casos, dinheiro em espécie em dólares, libras ou euros.

Modelo de Darf. Foto: Receita

Após o suposto envio dos presentes, a quadrilha solicita mento da vítima alegando que as mercadorias estariam retidas na Alfândega e só seriam liberadas após o pagamento de taxas e outros valores. Em geral, é fornecida uma conta corrente de pessoa física para depósito. Se a vítima deposita o valor solicitado, a quadrilha faz nova exigência alegando outro empecilho para a liberação da remessa ou da bagagem e, assim, sucessivamente.

A Receita adverte que não exige qualquer pagamento em espécie ou por meio de depósito em conta corrente. Todos os tributos aduaneiros administrados pelo Fisco são recolhidos por meio Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf).

A Receita destaca que, em caso de dúvidas, o contribuinte pode enviar seu questionamento ou contatar as Unidades de Atendimento da Receita Federal (http://idg.receita.fazenda.gov.br/contato).

Tudo o que sabemos sobre:

Receita Federal

Tendências: