Raquel quer saber quantas vezes Coronel Lima foi ao Palácio

Raquel quer saber quantas vezes Coronel Lima foi ao Palácio

Leia a íntegra do pedido da procuradora-geral da República ao ministro Roberto Barroso, do Supremo, para autorizar obtenção dos registros de entrada no Planalto do amigo de Temer acusado de receber R@ 1 milhão da JBS; investigação também busca descobrir quantas vezes Edgar Safdié, amigo do ‘homem da mala’ dos R$ 500 mil, esteve na sede do governo

Rafael Moraes Moura

03 de outubro de 2017 | 05h00

Raquel Dodge e Michel Temer. Foto: Dida Sampaio/Estadão

A procuradora-geral da República Raquel Dodge pediu ao ministro Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, que mande o Palácio do Planalto abrir os registros de entrada, em 2017, relativos a dois amigos do presidente Michel Temer, o coronel da PM reserva João Batista de Lima Filho e/ou José Yunes.

+ ‘O Edgar que trabalha para o presidente’
+ Temer influenciou diretamente a aprovação da MP dos Portos, diz Funaro

Documento

Lima Filho é o dono da Argeplan Arquitetura, muito próximo de Temer há mais de 30 anos. Ele teria se encontrado duas vezes com o contador Florisvaldo Caetano de Oliveira, apontado como homem do grupo J&F responsável pelas entregas de dinheiro a políticos, segundo o próprio delator. 

De acordo com o colaborador, o primeiro encontro teve como objetivo conhecer o destinatário, chamado de “coronel”, e combinar a forma de entrega dos valores. No segundo encontro, por sua vez, Oliveira afirmar ter entregue R$ 1 milhão em espécie para Lima Filho.

Yunes, advogado, foi assessor especial do presidente.

Raquel também quer saber quantas vezes estiveram no Palácio os executivos Ricardo Mesquita e Celso Grecco, da empresa Rodrimar, e, ainda, Edgar Safdie, amigo do ex-deputado e ex-assessor especial de Temer, Rodrigo Rocha Loures, o ‘homem da mala’ – em abril, ele foi filmado pela Polícia Federal carregando uma mala preta com 10 mil notas de R$ 50, somando R$ 500 mil em propina viva da JBS.

No mesmo ofício a Barroso, a procuradora pede autorização para tomar o depoimento do presidente e 60 dias para concluir as investigações relativas ao Decreto dos Portos – ato que teria beneficiado a Rodrimar.

“Trata-se de inquérito instaurado para apurar fatos descobertos noâmbito de ação controlada e de interceptação telefônica, investigações conduzidas inicialmente no Inquérito nº 4.483, de relatoria do ministro Edson Fachin, contudo, desmembradas e distribuídas à relatoria de Vossa Excelência por não guardarem conexão com os fatos do primitivo inquérito”, destacou Raquel na petição ao ministro Barroso.

Segundo ela, a Procuradoria ‘entendeu pela instauração de investigação para melhor elucidar os fatos, de maneira não apenas a confirmar a identidade das pessoas mencionadas, como também esclarecer se e em quais circunstâncias atuaram para repassar dinheiro ilícito aos agentes públicos Michel Miguel Elias Temer Lulia e Rodrigo Santos da Rocha Loures’.

Ainda segundo Raquel, a interceptação dos diálogos entre Rodrigo Loures e outros interlocutores apontou para ‘a possível prática de crimes de lavagem de dinheiro e corrupção ativa e passiva, pois, em diversas das conversas, seria possível depreender que Rodrigo Loures teria apontado os nomes de Ricardo Conrado Mesquita e Antônio Celso Grecco, ambos vinculados à empresa Rodrimar”

A procuradora requerei, ainda, a obtenção do registro de doações eleitorais feitas ‘pela Rodrimar S.A e/ou empresa do mesmo grupo econômico e/ou alguns dos seus sócios (Celso Grecco ou outro) para Michel Temer e/ou o PMDB nacional ou regional de São Paulo, nas últimas duas eleições (2014 / 2016), pelo menos’.

Outro pedido de Raquel é que seja enviado ofício ao Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil para que apresente: os integrantes (nomes e lotação) do Grupo de Trabalho formado por representantes do Ministério e da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) para atualização da legislação do setor portuário.

A procuradora quer, ainda, acesso à a minuta do texto do decreto enviada pelo ministro dos Transportes, Maurício Quintella, para análise jurídica do gabinete da Casa Civil em meados de dezembro de 2016; as atas das reuniões de trabalho de maio de 2016 a junho de 2017.

A reportagem não localizou a defesa do coronel Lima Filho, nem de Edgar Safdie. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, MICHEL TEMER

A Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República informou em nota enviada à imprensa nesta segunda-feira, 2, que o presidente Michel Temer responderá aos questionamentos referentes ao Decreto dos Portos.

“O presidente da República, Michel Temer, responderá aos questionamentos pertinentes ao inquérito. Vale destacar que houve amplo debate com o setor antes da publicação do decreto de renovação das concessões de portos. Todos os dados são públicos”, diz a nota.

“O assunto não comportava nenhum sigilo ou informação privilegiada, apenas a publicação do decreto que finaliza o longo processo de negociação entre o governo e o setor empresarial, como é comum e legítimo em uma democracia. E só foram atendidos os pleitos das empresas licitadas depois de 1993. Tudo antes disso, que era uma reivindicação de várias empresas, foi rejeitado.”

COM A PALAVRA, A RODRIMAR

A Rodrimar informou que em seus 74 anos de história ‘nunca recebeu qualquer privilégio do Poder Público’ e que seus executivos ‘estão, como sempre estiveram, à disposição das autoridades para qualquer esclarecimento que se fizer necessário’.

COM A PALAVRA, LOURES

A defesa do ex-assessor especial do presidente Michel Temer, o ex-deputado Rocha Loures (PMDB/PR), comunicou que só vai se manifestar depois de ser notificada oficialmente.

Tendências: