R$ 55 mil em dinheiro vivo em casa são diária de táxi, diz assessor especial de Picciani

R$ 55 mil em dinheiro vivo em casa são diária de táxi, diz assessor especial de Picciani

Fabio Cardoso do Nascimento, suspeito de receber propina para o deputado licenciado Paulo Melo (PMDB), afirmou em depoimento à Polícia Federal que outra parte do montante apreendido na Operação Cadeia Velha era referente a saques de sua conta

Julia Affonso

24 Novembro 2017 | 13h17

Jorge Picciani e Paulo Melo. Fotos: Tania Rego/Agência Brasil e Fabio Motta/Estadão

O assessor especial do presidente licenciado da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani (PMDB), disse em depoimento à Polícia Federal que os R$ 55.186,00 em dinheiro vivo apreendidos em sua casa eram ‘provenientes de saques de sua conta bancária, dos Bancos Itaú, CEF e das diárias do táxi de que é proprietário’.

Foto: Reprodução

A Operação Cadeia Velha, desdobramento da Lava Jato, suspeita que Fabio Cardoso do Nascimento,o auxiliar de Picciani, recebia propina para o deputado estadual Paulo Melo (PMDB).

Filho de Picciani diz à PF que foi ao TCE ‘falar de gado’ com conselheiro

Rua do Carmo, 6, Rio, endereço do comitê de Paulo Melo ‘Pinguim’ e de entrega da propina

Paulo Melo, da propina de R$ 50 mi, diz à PF que sua renda vem de salários, alugueis e peixes

Picciani deixava talão de cheques em branco, relata gerente

O Ministério Público Federal relatou ao desembargador Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal da 2.ª Região, que ‘95% das entregas’ de propina a Paulo Melo eram feitas para Andréa ou para o irmão Fábio.

“Desconhece quaisquer envelopes com valores; que nunca recebeu valores em espécie endereçados à Paulo Melo provenientes de outras fontes”, afirmou o assessor de Picciani à PF.

Nascimento é irmão de Andrea Cardoso do Nascimento, chefe de gabinete de Paulo Melo.

Picciani, Paulo Melo, Nascimento, Andrea e o também deputado do PMDB Edson Albertassi foram presos na Cadeia Velha.

O depoimento do assessor foi prestado à PF no dia 14 de novembro, data em que ele foi capturado. A Justiça converteu a prisão de Nascimento em preventiva, ou seja, por tempo indeterminado.

À PF, Nascimento informou que ‘suas fontes de renda são como funcionário da Prefeitura de Petrópolis/RJ, como assessor especial do deputado Jorge Picciani, como proprietário de um taxi e boxes de garagem’. O assessor afirmou que sua renda mensal é de cerca de R$ 12 mil.

“Atualmente vem prestando serviço somente na Alerj; que comparecia esporadicamente no comitê eleitoral do deputado Paulo Mello no ano de 2014”, declarou.

Os investigadores apontaram Nascimento como doador de Paulo Melo nas eleições de 2006, com R$ 5 mil, e em 2014, com R$ 25 mil. O Portal Transparência da Assembleia Legislativa do Rio, informa que, em julho de 2017, o salário de Nascimento foi de R$ 11.033,89.

Durante o depoimento, Nascimento foi questionado sobre R$ 200 mil em espécie que depositou em sua conta em 30 de novembro de 2012. O assessor afirmou que tratava-se de um empréstimo feito a um ‘compadre’.

Mais conteúdo sobre:

Jorge Piccianioperação Lava Jato