Lobista pagou consultoria dada à empreiteira, diz Dirceu

Ex-ministro afirma que R$ 1,4 milhão depositados pela Jamp Engenheiro Associados em sua empresa foi por trabalho prestado para Engevix em Cuba e no Peru

Redação

20 de março de 2015 | 05h15

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Fausto Macedo e Julia Affonso

O total de R$ 1,4 milhão que a JD Assessoria e Consultoria, do ex-ministro José Dirceu, recebeu da Jamp Engenheiros Associados, em 2011 e 2012 foi referente a serviços prestados à empreiteira Engevix Engenharia, em Cuba e no Peru.

É o que afirmou ontem o ex-ministro, por meio de nota. “A JD Assessoria e Consultoria assinou o contrato com a Jamp em março de 2011 também com o objetivo de prospectar negócios no exterior para a Engevix.”

A Jamp pertence a Milton Pascowitch, acusado de operar propina para a Engevix na Diretoria de Serviços da Petrobrás, cota do PT no esquema de corrupção na estatal. Para a Operação Lava Jato, a contratação e os pagamentos são suspeitos.

José Dirceu. Foto: Dida Sampaio/Estadão

José Dirceu. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Na quarta-feira, em depoimento à Justiça Federal, o vice-presidente da Engevix, Gérson de Mello Almada – preso desde 14 de novembro de 2014 – confirmou que contratou os serviços da JD para “lobby internacional”, Cuba e Peru. Negou propina.

Admitiu também pagar Pascowitch, um lobista com capacidade para “abrir portas” na Petrobrás via seus contatos políticos do PT. Citou o tesoureiro do partido, João Vaccari Neto, e o próprio Dirceu.

“O empresário Milton Pascowitch, sócio da Jamp, trabalhou por 17 anos na Engevix. A JD manteve o trabalho de consultoria para a construtora por meio da empresa de Pascowicth”, informou a nota do ex-ministro.

Trechos de contrato entre a JD, de Dirceu, e a Jamp, de Pascowitch / Reprodução

Trechos de contrato entre a JD, de Dirceu, e a Jamp, de Pascowitch / Reprodução

Pagamentos. Quebra de sigilo fiscal da JD mostrou que a Engevix pagou R$ 1,1 milhão, entre 2008 e 2011, para a JD, de forma mensal, com valores variando de R$ 20 mil a R$ 50 mil.

Investigadores da Lava Jato e o juiz federal Sérgio Moro consideraram “estranho” o fato de os pagamentos estarem amparados por contrato de seis meses, assinado em novembro de 2010, posterior aos primeiros depósitos. O documento contratual entregue pela própria defesa do ex-ministro registra ainda valor de R$ 300 mil.

Com a nova informação de que os serviços para a Engevix incluíram pagamentos da Jamp, os investigadores da Lava Jato consideram que a JD conseguiu R$ 2,5 milhões da empreiteira, pelo lobby que sequer apresentou resultados, segundo afirma o sócio da empreiteira.

A Lava Jato suspeita que as consultorias de Dirceu podem ter sido usadas para ocultar pagamentos de propina. “As histórias, entre si, elas são conflituosas. A Engevix não admite que conhecia a relação da Jamp com a JD. Isso está no depoimento do (Gérson de Mello) Almada”, afirmou o procurador Carlos Fernando Lima, um dos coordenadores da força-tarefa da Lava Jato.

Para a Justiça Federal, a defesa do ex-ministro entregou cópias do contrato assinado entre a Jamp e a JD e as notas fiscais com pagamentos, que foram mensais no período de dois anos.

“O que temos é uma série de justificativas, para um relacionamento, que não batem. Cada vez que eles justificam, depois os fatos mostram o contrário. Um fala uma coisa, depois vem outro e fala outra coisa”, afirmou Carlos Lima.

Documento da Receita com fontes pagadoras da empresa de José Dirceu/Reprodução

Documento da Receita com fontes pagadoras da empresa de José Dirceu/Reprodução

COM A PALAVRA, A DEFESA DE JOSÉ DIRCEU.

A JD Assessoria e Consultoria assinou o contrato com a Jamp em março de 2011 também com o objetivo de prospectar negócios no exterior para a Engevix. O empresário Milton Pascowitch, sócio da Jamp, trabalhou por 17 anos na Engevix. A JD manteve o trabalho de consultoria para a construtora por meio da empresa de Pascowitch. O valor do contrato era de R$ 1,5 milhão.

A JD seguiu atuando nos mercados de interesse do cliente na América Latina, sobretudo Peru e Cuba, conforme confirmam os executivos da Engevix.

Tudo o que sabemos sobre:

José Dirceuoperação Lava Jato

Tendências: