‘Queremos aula, não assédio’, protestam estudantes em Fortaleza que acusam professores de abuso

‘Queremos aula, não assédio’, protestam estudantes em Fortaleza que acusam professores de abuso

Durante ato realizado nesta quinta-feira, 17, manifestantes denunciaram que, pelo menos dois docentes de escola estadual na capital cearense, abordaram as jovens na sala de aula e por aplicativos de mensagens; casos teriam ocorrido há dois anos, mas como o colégio teria se omitido até agora grupo decidiu protestar

Jayanne Rodrigues

18 de março de 2022 | 15h13

Atualização às 18h01 para manifestação da Secretaria de Educação do Estado do Ceará

O protesto aconteceu na unidade escolar nesta quinta-feira, 17. Foto: Reprodução/ Internet

Pelo menos dois professores do Estado do Ceará estão sendo acusados de terem praticado assédio contra estudantes há cerca de dois anos. A série de denúncias culminou em um protesto nesta quinta-feira, 17, feito por alunos da Escola Estadual de Educação Profissional Professor César Campelo, em Fortaleza, no bairro Conjunto Ceará. Os estudantes relataram que os docentes abordaram as jovens na sala de aula e por aplicativos de mensagens. 

Com cartazes nas mãos, eles tentavam dar o recado do protesto através do que estava escrito. “Assédio é crime” e “Queremos aula, não assédio”. Ao longo da manifestação, os alunos também entoaram frases popularizadas em outros movimentos, a exemplo do: “Mexeu com uma, mexeu com todas”. Veja o vídeo:

A mãe de um dos alunos da instituição, que preferiu preservar a identidade, disse à reportagem do Estadão que a escola tinha conhecimento da denúncia. E ainda afirmou que foi por causa da suposta omissão do colégio que os estudantes decidiram realizar o protesto contra os abusos cometidos por professores. 

COM A PALAVRA, A SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO CEARÁ 

“A Secretaria da Educação (Seduc), por meio da Superintendência das Escolas Estaduais de Fortaleza (Sefor) 3, informa que a diretoria da escola recebeu denúncia esta semana e que está, junto com a assessoria jurídica da secretaria, adotando as providências cabíveis. Reuniões com a comunidade escolar são realizadas para esclarecer questionamentos. A Seduc realiza os procedimentos para afastamento legal dos docentes.

A Seduc ressalta ainda a importância de que a comunidade escolar denuncie à diretoria quaisquer crimes ou situações que afetem a proteção aos estudantes. Acrescenta a importância de manifestações por meio do canal da Ouvidoria (https://cearatransparente.ce.gov.br/) para que os fatos sejam esclarecidos de forma mais rápida e eficiente.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.