Quatro passos para uma startup praticar um capitalismo mais consciente

Quatro passos para uma startup praticar um capitalismo mais consciente

Thomas Eckschmidt*

09 Novembro 2018 | 04h00

Thomas Eckschmidt. FOTO: DIVULGAÇÃO

Se você se considera um capitalista? Certamente se você está empreendendo, pode até não se considerar capitalista, mas você é! Agora você pode ser um capitalista diferenciado, na prática e no resultado.

Como é isso? Implementando de forma consciente os fundamentos de um capitalismo consciente que norteiam de forma inconsciente a maioria dos empreendedores genuínos, aqueles que não copiam negócios dos outros, cuja intenção de empreender vem de dentro para fora, para mudar o mundo, e não de uma ideia de fora para ganhar dinheiro.

Vamos assumir que você efetivamente é um capitalista, talvez ainda não consciente, mas certamente não se acha um capitalista “inconsciente”.

Nessa linha, será que em todos os momentos do seu dia – ou das semanas, ou do ano – suas ações e iniciativas estão totalmente alinhadas com o verdadeiro foco do negócio? Certamente, quando temos uma equipe motivada, um plano bem claro e uma boa execução, asseguramos um bom crescimento do negócio. Isso significa que o negócio depende de várias alavancas para realmente avançar.

Empresas como Whole Foods, Porto Seguro, MeuMoveldeMadeira, Jacto, BMW, Tata, e várias outras no Brasil e no mundo, se destacam por terem descoberto não uma receita mágica para o sucesso, mas tornaram consciente os fundamentos de um capitalismo mais consciente: uma filosofia de negócios que provou ser, ao mesmo tempo, inspiradora e altamente lucrativa.

A ideia dessa filosofia de negócio está baseada em quatro fundamentos: liderança servidora, propósito evolutivo, integração dos envolvidos (stakeholders) e cultura responsável. A aplicação desses fundamentos tem gerado um resultado significativamente superior à média do mercado e em relação aos concorrentes, independentemente de setor de atuação, tamanho ou tempo de vida da empresa.

Mas essa filosofia não deve ser confundida com filantropia ou práticas de sustentabilidade ou responsabilidade social corporativa. Ela já provou ser uma forma mais eficiente de gerar maiores e melhores resultados, inclusive financeiros, e é altamente aplicável para empreendedores que estão motivados por uma causa maior de transformação da sociedade.

Para você se inspirar e aplicar o Capitalismo Consciente na sua vida e na sua empresa, resumo aqui as ideias de cada princípio:

1. Assuma uma postura de líder servidor. Aja de forma a empoderar e inspirar seus seguidores: principalmente seus colaboradores e funcionários. Esses dois ingredientes são fundamentais para uma liderança mais consciente. Uma vez que seus empregados sabem que estão respaldados e protegidos, eles passarão esses sentimentos para os próximos, e assim por diante.

2. Busque o seu propósito superior. Conheça histórias de empresas que fazem a diferença e assista a vídeos como o TEDx de Simon Sinek (Golden Circle), que ajuda a entender de onde deve vir o propósito. Esse é definitivamente o exercício mais desafiador, no meu ponto de vista. Ao longo do tempo, ajustamos e reescrevemos, conforme entendemos como estamos causando impacto na sociedade. Nesse princípio, você precisará de tempo para pensar e de certa forma “digerir” o conceito antes de começar a verbalizar o seu propósito.

3. Integração para seus stakeholders. Ter um bom relacionamento com todos os atores do seu negócio, não apenas os investidores e acionistas, é uma prática que garante uma vantagem competitiva para a empresa. Quando nos preocupamos com cada um dos grupos com os quais interagimos, que também inclui a comunidade onde estamos inseridos e o meio ambiente, estabelecemos relações mais fiéis, criando maior lealdade.

4. Desenvolva a sua cultura responsável . Entenda quais são os valores mais importantes para o sucesso do seu negócio, e escreva os princípios desses valores (como você reconhece cada um em ação). Isso ajuda todos a entenderem e abraçarem esses princípios, praticando-os em seu dia a dia.

Lembre-se: não importa por onde você decide começar a sua jornada, o importante é lembrar que essa é uma jornada de longo prazo. O sucesso não acontece da noite para o dia, mas os resultados são compensadores!

Para contribuir com essa jornada, existe uma autoavaliação gratuita chamada de Ativador do Capitalismo Consciente e você receberá gratuitamente um relatório customizado com sugestões de iniciativas para direcioná-lo em sua jornada.

*Thomas Eckschmidt, sócio da LawTech Melhor Acordo. Coautor do livro Do Conflito ao Acordo na Era Digital

Mais conteúdo sobre:

ArtigoStartup