Qual a relação entre imunidade e coronavírus?

Qual a relação entre imunidade e coronavírus?

Marcella Garcez Duarte*

25 de abril de 2020 | 05h30

Marcella Garcez Duarte. FOTO: DIVULGAÇÃO

Além das orientações da OMS (Organização Mundial da Saúde) de praticar o isolamento social e realizar a higiene – principalmente das mãos – com frequência, o que mais vemos na mídia são medidas alternativas de prevenção contra a covid-19. Uma das ações mais abordadas é relacionada à imunidade. E qual a importância real da imunidade em tempos de exposição à infecção pelo novo coronavírus?

Pessoas com a imunidade em dia terão organismos mais fortes para combater o novo coronavírus numa possível infecção, e por isso, respostas mais positivas para a recuperação. Quem tem imunidade normal também tem risco de contrair doenças e desenvolver sintomas, porém quem tem imunidade baixa, como os idosos e doente crônicos, tende a apresentar os sintomas mais graves das doenças infecciosas. Como ainda não existem medicamentos ou vacinas que protejam as pessoas contra o novo vírus, combatê-lo depende inicialmente da capacidade de resposta de cada indivíduo à doença. Mesmo que não impeça ninguém de contrair a doença, ter uma imunidade em dia é vital para ajudar na luta contra a infecção e na recuperação do doente.

Mas como a imunidade ajuda de fato? O sistema imunológico, de modo geral, tem a função específica de neutralizar vírus, bactérias, fungos e parasitas que entram em contato com o organismo, construindo defesas necessárias. Mas no caso das infecções por vírus (como é o caso da covid-19), o processo é mais lento do que a velocidade com que este microrganismo se multiplica e infecta células. Mesmo assim, o sistema imunológico encontra outras maneiras de acabar com a ameaça, gerando anticorpos, que são proteínas capazes de neutralizá-lo e impedir que o vírus infecte novas células e se reproduza. Porém os anticorpos só são produzidos após a infecção, mesmo que assintomática, ou depois da vacinação, que ainda não existe.

Pensando então nas armas possíveis para essa guerra contra o novo vírus, o sistema imunológico precisa estar funcionando bem, por isso a importância de manter uma alimentação balanceada (frutas, vegetais, carboidratos integrais, proteínas, gorduras boas e uma boa hidratação com água e outros líquidos, por exemplo), praticar atividade física moderada, ter bons hábitos de sono, redução do estresse, ingestão de suplementos e medicamentos fitoterápicos específicos com estratégias médicas individualizadas para correção de disfunções que impactam negativamente o bom funcionamento do sistema imunológico.

Diversos especialistas indicam, por exemplo, o consumo regular de Echinacea Purpurea, já que a substância é conhecida por estimular o aumento de anticorpos e células de defesa do organismo. Vários estudos reforçam que a Echinacea Purpurea padronizada estimula macrófagos e estimula a proliferação de linfócitos T (ambas células de defesa do organismo), além de aumentar a produção de citocinas, especialmente o interferon gama (mecanismos das células infectadas que tendem a produzir proteínas que impedem a replicação do vírus), aumentando assim a imunidade celular.

Mais recentemente, um estudo em fase de revisão, realizado por pesquisadores do Spiez Laboratory, órgão científico do governo da Suíça, reforça as evidências constatadas em análises anteriores de que medicamentos à base de Echinacea Purpurea fortalecem o sistema imunológico e ajudam na prevenção de infecções respiratórias, fornecendo potencialmente um tratamento profilático acessível e barato para infecções emergentes por coronavírus. A Anvisa, por sua vez, já apontou que a Echinacea atua como preventivo e coadjuvante na terapia de resfriados e infecções do trato respiratório.

A Echinacea Purpurea é uma das plantas mais citadas nos estudos, mas há muitos outros fitoterápicos apontados na literatura cientifica que podem apresentar funcionalidades benéficas, prevenindo e melhorando sintomas de doenças virais, que afetam o aparelho respiratório e podem ser consumidos através de alimentos funcionais, chás e infusões, suplementos nutracêuticos e medicamentos.

A boa notícia então é que temos dentro de nós mesmos um importante aliado e combatente nesta luta contra o novo coronavírus, que é o nosso sistema imunológico, e que podemos inserir medidas em nosso dia a dia para cuidar dele e prepará-lo para enfrentar com toda sua força e vitalidade as ameaças representadas pela covid-19.

*Marcella Garcez Duarte é médica nutróloga, especialista em fitoterapia e é diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran)

Tudo o que sabemos sobre:

Artigocoronavírus

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.