Quais são os efeitos da pandemia na mobilidade urbana?

Quais são os efeitos da pandemia na mobilidade urbana?

Luis Saicali*

03 de julho de 2020 | 14h00

Luis Saicali. FOTO: DIVULGAÇÃO

A pandemia de covid-19 gerou uma nova forma de viver e enxergar a realidade, trazendo novas percepções, reflexões e corroborando para uma nova maneira de pensar e agir em sociedade. Isso já está refletindo no mundo pós-pandemia, no chamado “novo normal” – a retomada gradual das atividades com restrições, sejam por necessidade ou medo de contágio, enquanto não há uma vacina. De acordo com uma pesquisa da Cabify com usuários de aplicativos de mobilidade em 11 países, 53% deles se sentem afetados por terem que mudar seus hábitos e 8 entre 10 passageiros sentiram pela falta de liberdade.

Uma das coisas que mais preocupam as pessoas, principalmente nos grandes centros urbanos, é o transporte público, quando 38% deles evitam utilizá-lo por medo de contágio. A mesma pesquisa aponta que 76% dos passageiros pretendem reduzir ou não utilizar ônibus, trens e metrôs, enquanto 38% disse que aumentará o uso do carro particular. Na prática, isso quer dizer que os meios de transportes devem sofrer a maior alteração dos últimos anos, com medidas mais rigorosas e exigindo das empresas um maior cuidado com a proteção e, talvez, por isso, 53% dos passageiros pretendem aumentar o uso dos aplicativos de mobilidade urbana por acreditarem em uma maior segurança.

Nesta nova realidade, a única constância é a incerteza sobre o futuro e o desejo pelo retorno à liberdade marcado por uma certa ansiedade. Os governos e prefeituras vem realizando trabalhos para aumentar as frotas e evitar os horários de picos, mas é perceptível que em uma grande cidade como São Paulo, por exemplo, o distanciamento social será uma meta difícil. Para lidar com uma população amedrontada (39%), consciente (57%) e de condescendentes (13%), será preciso muito mais. O fornecimento de álcool em gel, máscaras e películas de isolamento para motoristas de aplicativo, faz com os meios de transportes pensem em novas formas de atuação, beneficiando não somente as pessoas que se utilizam dele, mas a sociedade como um todo.

Projetos vêm sendo desenvolvidos, novos produtos e serviços oferecidos de forma digital que trazem novos vínculos de relacionamento entre empresas, colaboradores e clientes. Além da pesquisa de mercado, é preciso fazer a reflexão desse cenário pós-pandêmico, na qual no “novo normal” talvez não seja necessário ir ao escritório todos os dias; pensando racionalmente, temos milhares de pessoas indo aos mesmos destinos diariamente. Logo, as empresas precisam pensar que muito mais do que oferecer preço e serviço, elas estarão ainda mais entrelaçadas com seus clientes em saúde, segurança e integridade física.

*Luis Saicali é country manager da Cabify no Brasil

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: