‘Quais eram esses dois ministros?’, pergunta PF a Temer sobre o Supremo

‘Quais eram esses dois ministros?’, pergunta PF a Temer sobre o Supremo

Na pergunta número 23 do longo questionário que encaminhou a Michel Temer, a Polícia Federal aborda um trecho da delação do empresário Joesley Batista, da JBS, que afirma que o presidente 'se dispôs a ajudar Eduardo Cunha na Corte máxima através de dois ministros

Fábio Serapião, Julia Affonso e Breno Pires

06 de junho de 2017 | 14h16

Michel Temer. Foto: Evaristo Sá/AFP

A Polícia Federal usou informações da delação premiada do empresário Joesley Batista, da JBS, para questionar o presidente Michel Temer. No longo questionário – 82 perguntas – enviado ao presidente, a PF cita trecho de um dos depoimentos de Joesley delator sobre suposta afirmação de Temer no sentido de contribuir com o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB/RJ), preso na Operação Lava Jato desde outubro de 2016 e já condenado a 15 anos e quatro meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro.

“Joesley Batista também aduziu no depoimento de fls 4251 que Vossa Excelência se dispôs a ‘ajudar’ Eduardo Cunha no Supremo Tribunal Federal através de dois Ministros que lá atuam.”, assinala a PF na pergunta 23.

+ O que a PF quer saber do presidente

+ Temer não vai responder perguntas da PF sobre o grampo de Joesley

+ PF pergunta a Temer o sentido do ‘tem que manter isso’

+ Temer só pode ser processado com autorização de dois terços da Câmara

“Vossa Excelência confirma isso? Se sim, de que forma prestaria tal ajuda? Quais eram esses dois Ministros?”

Temer não é obrigado a responder a nenhuma pergunta da PF. Como investigado, ele está desobrigado de falar. Seu advogado, o criminalista Antônio Claudio Mariz de Oliveira, informou que o presidente não vai responder a todas as indagações.

Segundo Mariz, o presidente não vai falar sobre o conteúdo do áudio da conversa que ele teve na noite de 7 de março no Palácio do Jaburu com o acionista da JBS – o peemedebista diz o áudio foi ‘manipulado, adulterado’.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoMichel Temer