Punição administrativa a delegado da Lava Jato é anulada

Punição administrativa a delegado da Lava Jato é anulada

Parecer jurídico do Ministério da Justiça indicou problemas e nulidade em apuração da Corregedoria e no processo administrativo, que apontou supostas falhas do delegado Maurício Moscardi na condução da sindicância sobre escutas na cela do doleiro Alberto Youssef

Ricardo Brandt, Fausto Macedo e Pepita Ortega

30 de novembro de 2019 | 05h00

O Ministério da Justiça e Segurança Pública anulou a punição contra o delegado Maurício Grillo Moscardi, da Operação Lava Jato em Curitiba e da Operação Carne Fraca, pela sindicância que apurou instalação de grampos na cela do doleiro Albetto Youssef.

Em setembro, o delegado foi condenado em um Processo Administrativo Disciplinar da Corregedoria Geral da Polícia Federal a oito dias de suspensão.

Um parecer da Consultoria Jurídica do Ministério da Justiça, no entanto, apontou problemas no processo da Comissão Disciplinar e da Corregedoria, que concluíram por supostas falhas de Moscardi na sindicância da PF, em Curitiba, aberta para apurar se as escutas na cela eram legais ou ilegais.

Com base nesse parecer, o secretário executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Luiz Pontel de Souza, anulou a decisão de punição, em portaria publicada no mês passado.

Moscardi é da equipe da Lava Jato em Curitiba desde seu início, em 2014. Foi ele também que conduziu as investigações da Carne Fraca, que resultou na condenação de fiscais, empresários e apura agora envolvimento de políticos nos esquemas de fraudes e corrupção em frigoríficos das gigantes JBS e BRF.

Tendências: