PSOL questiona Defesa sobre infiltração de capitão do Exército no ‘Fora, Temer’

PSOL questiona Defesa sobre infiltração de capitão do Exército no ‘Fora, Temer’

Deputado Ivan Valente indaga Ministério se militares estão monitorando partidos políticos e quantos agentes foram mobilizados para as manifestações

Mateus Coutinho

14 de setembro de 2016 | 12h20

baltarep

O capitão do exército William Pina Botelho. Foto: Reprodução

O deputado Ivan Valente (PSOL/SP) protocolou nesta terça-feira, 13, um requerimento de informações ao Ministério da Defesa solicitando ao ministro Raul Jungmann esclarecimentos em relação à presença de um capitão do Exército em um protesto contra o presidente Michel Temer realizado no dia 4 de setembro em São Paulo.

No documento de quatro páginas, o parlamentar que se opôs ao impeachment de Dilma Rousseff e é oposição ao governo Temer, faz nove perguntas ao ministro. Ele indaga se a Pasta confirma que teria havido a infiltração de um oficial no protesto, de quem teria partido a ordem e se há alguma apuração interna sobre o caso.

Naquele protesto, 27 manifestantes foram detidos pela Polícia Militar. O capitão William Pina Botelho, que atua na área de Inteligência do Exército, havia se aproximado dos manifestantes pela internet com o codinome Balta Nunes e não foi detido. Um dia depois, a Justiça de São Paulo liberou 18 manifestantes.
O pedido de esclarecimentos de Valente foi feito com base em uma reportagem do portal “Ponte jornalismo”, especializado em segurança pública e que revelou a verdadeira identidade de Balta Nunes, como ele se identificava aos manifestantes.

pedidovalente

Ao Ministério da Defesa, o deputado indaga se, de fato, o capitão atuou como infiltrado no protesto e se teria sido responsável por repassar informações às autoridades que levaram à prisão dos manifestantes no protesto de 4 de setembro.

O parlamentar questiona ainda ‘quais os objetivos do Exército com tais práticas, se há alguma parceria com a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e há quanto tempo o monitoramento vem sendo realizado’.

Ivan Valente também indaga se algum partido político ‘foi ou está sendo monitorado e quantos foram os agentes infiltrados nessas operações’.

O deputado do PSOL solicita ao Ministério da Defesa que se manifeste ‘com a maior brevidade possível’.

COM A PALAVRA, O MINISTÉRIO DA DEFESA:

A assessoria da Pasta informou que “quando o requerimento chegar a este Ministério da Defesa será procedida a resposta e encaminhada ao deputado Ivan Valente (Psol-SP)”

Tudo o que sabemos sobre:

protestosExércitoExecução penal

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: