‘Provado’

‘Provado’

Juiz da Lava Jato crava em sentença histórica de 218 páginas que versões do ex-presidente 'não são consistentes'

Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Julia Affonso, Luiz Vassallo e Fausto Macedo

12 Julho 2017 | 15h52

Sérgio Moro durante palestra em Curitiba. Foto: Geraldo Bubniak/AGB

*Matéria atualizada às 20h56 do dia 12/07/2017

O juiz Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, cravou que está ‘provada’ a corrupção de Lula no caso triplex. “Provado que as duas versões apresentadas pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o ocorrido em relação ao apartamento 164-A, triplex, no Condomínio Solaris, no Guarujá, não são consistentes com as provas documentais constantes nos autos”, afirma o magistrado na sentença de 218 páginas.

Documento

É a primeira condenação de um ex-presidente por corrupção e lavagem de dinheiro.

Condenação não traz ‘qualquer satisfação pessoal’, diz Moro sobre Lula

+ TUDO SOBRE O TRIPLEX: denúncia da Lava Jato, a defesa de Lula, a sentença do juiz Sérgio Moro e assista os depoimentos no processo que tornou o líder máximo do PT em condenado

Moro proíbe Lula condenado em cargo ou função pública

Moro condenou Lula a nove anos e seis meses de prisão pelos crimes de corrupão passiva (seis anos) e lavagem de dinheiro (três anos e meio).

“Provado igualmente que os depoimentos no sentido de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua esposa eram proprietários de fato do apartamento 164-A, triplex, no Condomínio Solaris, no Guarujá, e que as reformas foram a eles destinadas, são consistentes com as provas documentais constantes nos autos”, assinala Moro.

Moro não manda prender Lula condenado para evitar ‘certos traumas’

+ Procuradoria quer regime fechado para Lula no caso triplex

+ O apartamento era do presidente Lula, diz Léo Pinheiro

“Provado também que os depoimentos no sentido de que eles seriam meros ‘potenciais compradores’ não são consistentes com as provas documentais constantes nos autos.”

O juiz da Lava Jato anotou que o Grupo OAS, dirigido pelo empreiteiro José Adelmário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, mantinha uma conta corrente geral de propinas ‘com agentes do Partido dos Trabalhadores’. A conta, destacou o magistrado, ‘era alimentada por créditos provenientes de contratos celebrados pelo Grupo OAS com o Governo Federal’.

“Alguns desses créditos foram provenientes dos aludidos contratos da Construtora OAS, no âmbito do Consórcio CONEST/RNEST, no montante de dezesseis milhões de reais, como parte de vantagem indevida acertada no total de cerca de 2 ou 3% sobre o valor do contrato.”

Segundo Moro, o ex-presidente ‘foi beneficiado materialmente por débitos da conta geral de propinas, com a atribuição a ele e a sua esposa, sem o pagamento do preço correspondente, de um apartamento triplex, e com a realização de custosas reformas no apartamento, às expensas do Grupo OAS’.

“Provado, portanto, o crime de corrupção”, sentenciou Sérgio Moro.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoSérgio MoroLula