Promotorias de São Paulo e do Rio abrem operação contra grupo investigado por transmitir HIV intencionalmente

Promotorias de São Paulo e do Rio abrem operação contra grupo investigado por transmitir HIV intencionalmente

Operação Antivírus cumpre mandados de busca e apreensão em 12 municípios paulistas e na capital fluminense; investigação identificou grupo de WhatsApp, chamado 'Clube do Carimbo', para estimular transmissão do vírus a terceiros

Redação

07 de abril de 2021 | 10h41

Os Ministérios Públicos de São Paulo e do Rio de Janeiro abriram nesta quarta-feira, 7, a Operação Antivírus contra uma organização criminosa suspeita de transmitir intencionalmente o vírus HIV.

Com apoio da Polícia Militar, os promotores cumpriram 12 mandados de busca e apreensão em municípios paulistas e na cidade do Rio.

A investigação, tocada em conjunto pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e pelo CyberGaeco, identificou centenas de pessoas reunidas em grupo no WhatsApp, chamado ‘Clube do Carimbo’, para estimular a transmissão intencional do vírus a terceiros. Entre as estratégias sugeridas estavam a danificação de preservativos usados nas relações sexuais e a omissão da condição de portadores do vírus, segundo informou o MP.

Grupo se reunia no WhatsApp para trocar dicas de transmissão intencional do vírus HIV. Foto ilustrativa: Fábio Motta/ Estadão

ˆO Clube do Carimbo chegou a contar com mais de 120 integrantes em pelo menos, quatro Estados (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Pernambuco)”, afirma o MP de São Paulo.

Os investigadores chegaram a 12 integrantes do grupo, que são alvos da operação aberta nesta quarta. A identificação foi possível a partir de dados encaminhados pelo grupo que controla o WhatsApp após ordem judicial.

O material apreendido, incluindo os aparelhos celulares dos investigados, será, agora, submetido à perícia para aprofundar a investigação sobre a exata dimensão do ‘Clube do Carimbo’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.