Promotoria vai à Justiça contra ex-secretária de Damares por ‘milícia armada’ em Brasília

Promotoria vai à Justiça contra ex-secretária de Damares por ‘milícia armada’ em Brasília

Ativista bolsonarista Sara Winter admitiu que manifestantes possuem armas de fogo; grupo '300 do Brasil' está organizado desde o dia 1º com objetivo de 'exterminar a corrupção e a esquerda'

Paulo Roberto Netto

13 de maio de 2020 | 18h21

O Ministério Público do Distrito Federal apresentou ação civil pública contra a ativista bolsonarista Sara Winter, ex-secretária da ministra Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) por uma ‘milícia armada’ acampada em Brasília, conhecida como ‘300 do Brasil’.

Em entrevista à BBC Brasil, Winter admitiu que integrantes do acampamento portavam armas de fogo. Os manifestantes estão concentrados no local desde 1º de Maio.

Documento

Por conversas de WhatsApp, o objetivo do grupo era ‘exterminar a corrupção e a esquerda em nosso país através de ataques estratégicos baseados em ativismo e inteligência’. Os participantes eram chamados de ‘militar’ que deveriam estar prontos para ‘dar a vida pela sua nação’.

De acordo com a Promotoria, não apenas o grupo viola as recomendações sanitárias de saúde em meio à pandemia do novo coronavírus, como o próprio Distrito Federal se omite a fazer uso de forças de segurança pública na proteção dos ‘interesses constitucionalmente tutelados e violados’ pelo movimento.

“A presença de milícias armadas, conforme noticiado nos veículos de comunicação, na região central da Capital Federal, representa inequívoco dano à ordem e segurança públicas”, afirmou o Ministério Público.

A ativista bolsonarista Sara Winter. Foto: Instagram / Reprodução

Winter ocupou entre abril e outubro de 2019 o cargo de coordenadora-geral de Atenção Integral à Gestante e à Maternidade na gestão Damares Alves, que a indicou para o posto pela sua posição contrária ao aborto. Em 2012, a ativista ficou conhecida por defender pautas feministas.

Os promotores cobram que a Justiça ordene a desmobilização do movimento ‘300 do Brasil’, a busca e apreensão de armas de fogo que estejam sob posse de manifestantes, e proíba a sua retomada, com os mesmos objetivos, em qualquer outra parte do Brasil. O MP pede também decisão para obrigar o governo do Distrito Federal a adotar medidas de prevenção ao coronavírus, como a proibição de aglomeração de pessoas.

COM A PALAVRA, A ATIVISTA SARA WINTER
A reportagem busca contato com a defesa da ativista Sara Winter. O espaço está aberto a manifestações (paulo.netto@estadao.com)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.