Promotoria pede afastamento de Lidiane ‘ostentação’

Promotoria pede afastamento de Lidiane ‘ostentação’

Câmara de Bom Jardim (MA) devolveu o mandato à prefeita, suspeita de fraudes na merenda escolar, mas Ministério Público alerta que 'retorno ao cargo resultará na continuidade da dilapidação do patrimônio público'

Fausto Macedo e Julia Affonso

11 de agosto de 2016 | 10h49

Lidiane está foragida. Foto: Reprodução

Lidiane está foragida. Foto: Reprodução

O promotor de justiça Fábio Santos de Oliveira, titular da Comarca de Bom Jardim, protocolou, nesta terça-feira, 9, pedido de reconsideração ao Poder Judiciário para que seja julgada a Ação Civil de Improbidade Administrativa, ajuizada em 26 de agosto de 2015, tratando do afastamento da prefeita Lidiane Leite.

O pedido de afastamento liminar havia sido solicitado pelo Ministério Público do Maranhão, ‘em virtude do prejuízo causado pela prefeita aos cofres públicos municipais’. Na mesma ação, foi pedida a indisponibilidade dos bens dela e o ressarcimento ao erário.

À época, a Justiça declarou prejudicada a apreciação do pedido, pois Lidiane Leite havia sido afastada, por meio de decreto legislativo. Ela retornou ao comando da Prefeitura de Bom Jardim, nesta terça, após o presidente da Câmara Municipal, Arão Sousa Silva, revogar unilateralmente o decreto.

Na avaliação do promotor de justiça, é necessário que o pedido de afastamento liminar do cargo seja analisado, pois as irregularidades permanecem. “O retorno ao cargo resultará na continuidade da dilapidação do patrimônio público de Bom Jardim”, afirmou o representante da Promotoria.

A reportagem tentou falar com o advogado que defende Lidiane Leite, por meio da OAB-MA. A entidade não localizou o defensor.

Tudo o que sabemos sobre:

Lidiane Leite

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.