Promotoria investiga rifa de ‘melhor pistola do mundo’ oferecida por equipe da Guarda Civil de Goiânia

Promotoria investiga rifa de ‘melhor pistola do mundo’ oferecida por equipe da Guarda Civil de Goiânia

Pepita Ortega

20 de abril de 2022 | 16h51

Foto: Reprodução/Redes sociais

O Ministério Público de Goiás instaurou um procedimento extrajudicial para investigar o sorteio de uma arma de fogo pela equipe da Ronda Ostensiva Municipal da Guarda Civil Metropolitana de Goiânia. A rifa foi anunciada em vídeo publicado no perfil de uma tropa da GCM nas redes sociais. A gravação foi apagada após repercussão.

No vídeo, um agente da Romu anuncia, ao lado de dois colegas, o sorteio de uma pistola Glock 25, a qual é classificada por ele como ‘a melhor pistola do mundo’. De acordo com a gravação, o dinheiro arrecadado com a rifa seria investido na ‘construção’ da nova base da corporação. Para participar do sorteio, o agente instrui os interessados a procurar um dos integrantes da Romu. Ele informa que cada uma das cotas seria vendida por R$ 50 e que o vencedor poderá escolher entre a arma de fogo ou R$ 5 mil.

Em nota, a Guarda Civil Metropolitana informou que a rifa da pistola Glock ‘se dá em função dos trabalhos sociais do Grupamento na lida com crianças e adolescentes e adultos’.

Segundo a corporação, a arma foi doada por um agente de segurança pública que ‘se sensibilizou com o trabalho e frutos colhidos pelos projetos sociais’. A GCM diz ainda que, caso o ganhador da rifa não preencha os requisitos legais para ter a posse da arma, ele levará o prêmio em dinheiro.

O Núcleo de Controle Externo da Atividade Policial da Promotoria goiana informou ter oficiado a Guarda Civil Metropolitana pedindo informações sobre a origem da arma de fogo anunciada no sorteio e questionando quem são os guardas municipais responsáveis pela rifa.

Além disso, o MP quer saber se há prévio certificado de autorização emitido pelo Ministério da Economia para a realização do sorteio da arma de fogo, conforme previsto em lei; e se o comando da corporação conhece a vedação da distribuição de arma de fogo como prêmio.

Outro questionamento da Promotoria é sobre como a GCM vai resguardar que arma de fogo sorteada seja entregue somente à pessoa que preencha os requisitos que possibilitam a aquisição, o registro e o porte de tal objeto, previstos no Estatuto do Desarmamento.

Além disso, o MP pergunta à corporação como será feita a transmissão de propriedade da arma de fogo ao futuro sorteado.

COM A PALAVRA, A GCM DE GOIÂNIA

– A Guarda Civil Metropolitana de Goiânia informa que não está acontecendo uma construção da base da ROMU e sim a reforma de uma estrutura de uma escola antiga. Na área cedida à Ronda Ostensiva Municipal (Romu), pertencente ao município de Goiânia, funcionava uma escola estadual, agora desativada. Sendo assim o objetivo é proporcionar aos integrantes uma base moderna e com capacidade para operacionalizar as ações policiais e sociais.

– O prédio cedido pela Prefeitura à Guarda Civil Metropolitana, por termo de doação, está sendo recuperado e será anexado à Romu, para melhor acomodar unidades da Corporação. A obra de recuperação da edificação está sendo feita pela Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seinfra), com recursos próprios do município.

– A rifa da pistola Glock se dá em função dos trabalhos sociais do Grupamento na lida com crianças e adolescentes e adultos. São feitos anualmente trabalhos voluntários em datas comemorativas como Natal, Dia das Crianças, Dia das Mulheres, etc.

– A Glock foi doada por um Agente de Segurança Pública que se sensibilizou com o trabalho e frutos colhidos pelos projetos sociais. Para o ganhador levar a pistola deverá se enquadrar na lei 10.826 (armamento). Caso não preencha os requisitos o ganhador levará o prêmio em dinheiro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.