Promotoria investiga mortes de funcionários e subnotificações de covid-19 no Hospital Tatuapé

Promotoria investiga mortes de funcionários e subnotificações de covid-19 no Hospital Tatuapé

Luiz Vassallo e Fausto Macedo

24 de abril de 2020 | 18h32

Reprodução de trecho da portaria de inquérito

O Ministério Publico do Estado de São Paulo investiga mortes de funcionários e de pacientes por COVID-19, bem como subnotificações de falecimentos pelo coronavírus no Hospital Municipal de Tatuapé.

A investigação está sendo cuidada pela equipe do AVARC – Projeto de Acolhimento de Vítimas, Análise e Resolução de Conflitos, coordenado pela promotora da 11 Vara Criminal de São Paulo, Celeste Leite dos Santos.

Segundo a Promotoria, ‘os fatos descritos indicam sérias infrações ao Código Penal’. “Enfermeiros continuaram a exercer as suas atividades no Hospital, apesar de apresentarem sintomas de COVID -19, assim como a ausência da notificação compulsória pelo COVID -19 em razão dos falecimentos, indicando possível ocorrência de omissão de notificação de doença extremamente grave”.

Documento

O inquérito tem como base reportagens do programa Conexão Repórter, do jornalista Roberto Cabrini, no SBT, nos dias 30 de março e 06 de abril de 2020, e pelo Portal G1. As matérias revelam a morte de Juraci Augusta da Silva, enfermeira com 70 anos – grupo de risco, que continuou exercendo sua profissão no Hospital Municipal do Tatuapé, vindo a falecer no dia 27/03/2020 sem que tenha sido confirmado do diagnóstico da COVID-19′.

“De igual modo, ocorreu com o enfermeiro Idalgo Moura dos Santos, também atuante no Hospital Municipal do Tatuapé onde faleceu com suspeita de coronavírus e que apesar do exame ter sido realizado, o diagnóstico ainda não foi divulgado. Ainda, relatos fornecidos por colegas de trabalho afirmam, que mesmo apresentando sintomas da COVID-19 ele permaneceu trabalhando”, afirma a Promotoria.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: