Promotoria investiga apropriação indébita, lavagem, falsificação e sonegação em associações religiosas de Goiás

Promotoria investiga apropriação indébita, lavagem, falsificação e sonegação em associações religiosas de Goiás

Operação Vendilhões faz 16 buscas para apurar supostos desvios das contas de três entidades - Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), Associação Filhos do Pai Eterno e Perpétuo Socorro e Associação Pai Eterno e Perpétuo

Redação

21 de agosto de 2020 | 12h24

Operação Vendilhões. Foto: MPGO

O Ministério Público de Goiás deflagrou na manhã desta sexta-feira, 21, a Operação Vendilhões para investigar supostos crimes de organização criminosa, apropriação indébita, lavagem de dinheiro, falsificação de documentos e sonegação fiscal envolvendo diretores de entidades religiosas – Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), Associação Filhos do Pai Eterno e Perpétuo Socorro e Associação Pai Eterno e Perpétuo.

Com apoio das Polícias Civil e Militar de Goiás, o MP-GO cumpre 16 mandados de busca e apreensão na sede das associações, empresas e residências em Goiânia e Trindade. As ordens foram expedidas pela juíza Placidina Pires, da Feitos Relativos a Organizações Criminosas e Lavagem de Capitais.

Segundo a Promotoria, a investigação foi iniciada com o encaminhamento, pelo Poder Judiciário, de cópia de inquérito policial em que o presidente Afipe, após ser vítima de extorsão, utilizou indevidamente recursos provenientes de contas das associações que preside.

O MP-GO informou que foi encontrado dinheiro nos locais das buscas, sendo que o montante ainda está sendo contabilizado. Participam da operação 20 promotores de Justiça, 52 servidores do Ministério Público, 4 delegados, 8 agentes da Polícia Civil e 61 policiais militares.

Operação Vendilhões. Foto: MPGO

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: