Promotoria inclui duas empresas e tira Odebrecht da investigação sobre viaduto da Marginal

Promotoria inclui duas empresas e tira Odebrecht da investigação sobre viaduto da Marginal

Promotor de Justiça Marcelo Milani, da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público, destaca que empreiteira alvo da Lava Jato 'não possui qualquer relação com investigação' sobre o trecho da via expressa que arriou em São Paulo em novembro do ano passado

Julia Affonso

12 de fevereiro de 2019 | 18h23

Ministério Público de São Paulo. Foto: Assessoria de Comunicação Social/MP-SP

O promotor Marcelo Milani, do Ministério Público de São Paulo, incluiu duas empresas no inquérito que apura supostas irregularidades no viaduto da Marginal Pinheiros que cedeu em novembro do ano passado provocando transtornos para os paulistanos. Milani incluiu a Firpavi Construtora e Pavimentadora – em recuperação judicial – e a Proenge Engenharia e excluiu do rol de investigadas a Construtora Norberto Odebrecht, alvo da Operação Lava Jato que fechou acordo de leniência com a Procuradoria-Geral da República.

“Verificou-se que a empresa Construtora Norberto Odebrecht não possui qualquer relação com investigação em curso”, crava Milani, da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público, braço do Ministério Público paulista que investiga improbidade.

Documento

O promotor assinala que o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) informou que as empresas responsáveis pela construção do viaduto foram a Firpavi Construtora e Pavimentadora S/A e a Proenge Engenharia Ltda.

O inquérito foi aberto por suspeita de ‘afronta à lei de improbidade administrativa’, após o Estado noticiar que a Prefeitura havia usado até 15 de novembro apenas 5% do orçamento inicial para 2018 com conservação e manutenção de viadutos e pontes. Enquanto a previsão era de R$ 44,7 milhões, foram gastos R$ 2,4 milhões, segundo dados de execução orçamentária do Município.

Nesta quarta-feira, 12, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), anunciou que o viaduto terá o acesso aberto para carros leves a partir de 18 de março. Segundo ele, as obras emergenciais estão em processo de finalização, cujo resultado será testado durante o carnaval. Já os trabalhos de manutenção ocorrerão quando a estrutura já estiver em funcionamento.