Promotoria faz buscas contra ex-secretário de Urbanismo de Curitiba por 70 alvarás e licenças irregulares

Promotoria faz buscas contra ex-secretário de Urbanismo de Curitiba por 70 alvarás e licenças irregulares

Segundo Ministério Público do Paraná, empresa de construção teria pago propinas para facilitar a tramitação de processos, entre 2013 e 2016, período em que a Pasta era comandada por Reginaldo Cordeiro

Pepita Ortega

04 de dezembro de 2019 | 11h27

A sede da Prefeitura de Curitiba. Foto: Google Maps

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Paraná deflagrou nesta quarta, 4, a segunda fase da Operação Al-Barã, para investigar supostas propinas pagas para facilitar a tramitação de processos de alvarás e concessão de licenças pela Secretaria Municipal de Urbanismo de Curitiba, entre 2013 e 2016.

O ex-secretário Reginaldo Cordeiro comandava a Urbanismo no governo municipal Gustavo Fruet (PDT) – que não é investigado.

Cordeiro é um dos alvos dos quatro mandados de busca e apreensão que são cumpridos no âmbito da operação.

As ordens foram expedidas pela 13.ª Vara Criminal de Curitiba e miram, ainda, uma empresa de construção que teria sido beneficiada pelas concessões irregulares e na casa de funcionários da companhia, indicou o Ministério Público do Paraná.

Segundo a Promotoria, após a primeira fase da operação, em 2017, foi instituída uma comissão que identificou irregularidades em 70 dos 362 procedimentos de alvará e licença analisados.

As investigações apontaram que a autorizações não atenderam formalidades legais da Secretaria Municipal de Urbanismo.

A Promotoria aponta indícios de crimes de lavagem de dinheiro e advocacia administrativa – patrocínio, pelo funcionário público, de interesse privado perante a administração pública.

COM A PALAVRA, A DEFESA

A reportagem busca contato com a defesa do ex-secretário municipal de Urbanismo de Curitiba, Reginaldo Cordeiro. O espaço está aberto para manifestação.

Tudo o que sabemos sobre:

Curitiba [PR]Ministério Público

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.