Promotoria denuncia quatro homens por agressão a mulher que beijou namorada em frente a bar no Flamengo

Promotoria denuncia quatro homens por agressão a mulher que beijou namorada em frente a bar no Flamengo

Sandro Chrispino, Ronaldo Vieira da Silva, João de Moura e João Paulo Rodrigues Soares Pereira teriam agredido, com 'socos, puxões, empurrões e golpes de 'mata-leão', não só a moça, mas também o amigo que intercedeu para defendê-la

Pepita Ortega

21 de novembro de 2019 | 15h04

O local do Flamengo onde se iniciaram as agressões ao casal de mulheres e seu amigo. Foto: Reprodução / Google Maps

O Ministério Público do Rio de Janeiro denunciou, na última quarta, 13, quatro homens que ofenderam e agrediram duas pessoas em razão de uma delas, uma mulher, ter beijado sua namorada em frente ao bar em que o grupo estava, no Flamengo. Sandro Chrispino, Ronaldo Vieira da Silva, João de Moura e João Paulo Rodrigues Soares Pereira são acusados de lesão corporal.

De acordo com a denúncia, apresentada pela 25ª Promotoria Justiça de Investigação Penal – ligada à Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (DECRADI) da Polícia Civil do Rio – o crime teria ocorrido no dia 28 de junho. Outros três homens Márcio Rufino da Rocha, João Victor de Moraes Moura e Anderson Duarte Pereira, também faziam parte do grupo dos agressores, diz a acusação. Os promotores recomendaram que eles paguem multa individual de dois salários mínimos.

Documento

A peça diz que os denunciados agrediram os dois amigos com ‘socos, puxões, empurrões e golpes de ‘mata-leão”. O homem teve escoriações no rosto e orelhas e a mulher teve sua a mão direita quebrada.

A denúncia diz que ela, após beijar sua namorada, percebeu que o grupo começou a observá-las e então perguntou aos denunciados por que olhavam. Os homens discutiram com o casal e com o amigo. Em seguida, um pouco mais à frente do bar, enquanto caminhavam, Ronaldo socou o rosto de uma das moças, chutou seu estômago e a empurrou, derrubando-a no chão.

O amigo intercedeu, mas também levou socos do grupo. Segundo a denúncia, o casal tentou defender o homem, e então os agressores começaram a xingar os três de ‘sapatão, mulher maluca, careca, petista, veado, gayzinho’, dizendo ainda que ‘tomariam muita porrada porque gostava’.

A promotoria registra ainda que o amigo do casal de meninas conseguiu entrar no seu prédio, mas um dos denunciados, João de Moura, teria entrado no local e arrastado o homem pra fora, onde recebeu mais socos e chutes.

João Moura teria ainda ameaçado as vítimas, dizendo que era ex-policial e buscaria uma arma de fogo para matá-los. Além disso, fez gestos obscenos com seu órgão genital em lugar público.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.