Promotoria denuncia líder religiosa por pregação contra quem fica ‘postando coisa de gente preta, de gay’

Promotoria denuncia líder religiosa por pregação contra quem fica ‘postando coisa de gente preta, de gay’

Redação

22 de agosto de 2021 | 17h32

Foto: Reprodução/Twitter

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro denunciou, nesta sexta-feira, 20, a líder religiosa Karla Cordeiro dos Santos Tedim, por praticar, induzir e incitar o preconceito e a discriminação contra pessoas negras e pertencentes à comunidade LGBTQIA+. No fim do mês passado, em transmissão ao vivo na Igreja Sara Nossa Terra, em Nova Friburgo, Karla pregou contra pessoas que ficam ‘postando coisa de gente preta, de gay’.

De acordo com a denúncia, ‘a pretexto de enaltecer sua ‘bandeira’, Karla induziu e incitou menosprezo pelas pessoas de cor preta e por aquelas integrantes da comunidade LGBTQIA+, praticando discriminação e preconceito contra aquelas e suas causas ao enfatizar a ‘vergonha’ que tais ‘bandeiras’ importariam se fizessem parte das manifestações sociais dos seus ouvintes’. As informações foram divulgadas pela Promotoria.

“Karla agiu com menoscabo e preconceito contra lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, travestis, queers, intersexuais, assexuais, não binários e pessoas com orientação sexual e identidade de gênero diversas, ao zombar da sigla representativa da comunidade que os agrega”, diz o documento.

Em nota, a Promotoria fluminense ressaltou ainda que ‘a prática criminosa se deu através de discurso endereçado a jovens, destilando intolerância a pautas sociais de inclusão e cidadania com alcance presencial e remoto, potencializando o alcance da mensagem e, assim, o desvalor do resultado e as consequências do delito’.

Na live, realizada no dia 31 de julho, Karla afirmou: “É um absurdo pessoas cristãs levantando bandeiras políticas, bandeiras de pessoas pretas, bandeiras de LGBTQIA+, sei lá quantos símbolos tem isso aí. É uma vergonha. Desculpa falar, mas chega de mentiras, eu não vou viver mais de mentiras. É uma vergonha. A nossa bandeira é Jeová Nissi, é Jesus Cristo. Ele é a nossa bandeira. Para de querer ficar postando coisa de gente preta, de gay. Para. Posta a palavra de Deus que transforma vidas. Vira crente, se transforma, se converta”.

O Ministério Público do Rio afirmou que não foi proposto acordo de não persecução penal, no caso, sob o entendimento de que Karla praticou crime violador da dignidade da pessoa humana, princípio fundamental da Constituição.

Após a repercussão do vídeo, a pregadora divulgou nota em que pede desculpas ‘pelos termos que usou’ durante a transmissão ao vivo e dizendo que ‘não tem preconceito com pessoas de outras raças’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.