Promotoria denuncia Flordelis por ‘arquitetar’ assassinato do pastor Anderson e faz operação para prender mais nove acusados

Promotoria denuncia Flordelis por ‘arquitetar’ assassinato do pastor Anderson e faz operação para prender mais nove acusados

MP do Rio diz que deputada federal foi responsável por 'arquitetar o homicídio' de seu marido; Operação Lucas 12 foi deflagrada para cumprir mandados contra seis filhos e uma neta de Flordelis

Redação

24 de agosto de 2020 | 07h39

A deputada federal Flordelis no enterro do marido, que foi morto a tiros Foto: WILTON JUNIOR / ESTADÃO

O Ministério Público do Rio de Janeiro denunciou a deputada federal Flordelis dos Santos de Souza (PSD-RJ) e mais 10 pessoas pelo assassinato do pastor Anderson do Carmo na madrugada do dia 16 de junho de 2019 em Niterói, região metropolitana do Rio. Segundo a Promotoria, a denúncia foi aceita pelo Juízo da 3ª Vara Criminal de Niterói, que expediu mandados de prisão preventiva contra nove dos 11 acusados. Na manhã desta segunda, 24, o MP e a Polícia Civil do Rio deflagraram a Operação Lucas 12 para cumprir as ordens de prisão, além de realizarem 14 buscas em endereços ligados aos denunciados em Niterói, São Gonçalo, Rio de Janeiro e Brasília.

São alvos dos mandados de prisão preventiva: Marzy Teixeira da Silva, Simone dos Santos Rodrigues, André Luiz de Oliveira, Carlos Ubiraci Francisco da Silva, Flávio dos Santos Rodrigues, Adriano dos Santos Rodrigues, Rayane dos Santos Oliveira, Andrea Santos Maia e Marcos Siqueira Costa. Os seis primeiros são filhos de Flordelis, e a sétima, neta da parlamentar.

O MP informou que com relação à deputada, não foi requerido mandado de prisão, em razão de sua imunidade parlamentar – ela só pode ser presa se em flagrante delito.

Em nota, o MP do Rio afirmou que a denúncia ‘aponta que Flávio dos Santos Rodrigues, em conluio com Lucas Cézar dos Santos de Souza, Flordelis e os demais denunciados, atirou diversas vezes contra Anderson do Carmos de Souza, na madrugada do dia 16 de junho de 2019, em sua casa no bairro Badu, Pendotiba, Niterói’.

“Flordelis é responsabilizada por arquitetar o homicídio, arregimentar e convencer o executor direto e demais acusados a participarem do crime sob a simulação de ter ocorrido um latrocínio. A deputada também financiou a compra da arma e avisou da chegada da vítima no local em que foi executada, segundo a denúncia”, afirmaram os promotores.

De acordo com o delegado Allan Duarte, titular da  Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá, as investigações apontaram Flávio dos Santos Rodrigues, filho biológico da deputada, como executor do crime e Lucas César dos Santos, filho adotivo do casal, como a pessoa que comprou a arma utilizada no assassinato. Ambos já haviam sido denunciados em agosto do ano passado.

O MP também imputa à deputada e outros denunciados o crime de uso de documento falso, em razão da tentativa de, ‘através de carta redigida por Lucas, atribuir a pessoas diversas a autoria e ordem para a prática do homicídio’.

“Segundo a denúncia, o executor Flávio tinha o objetivo de livrar ele próprio e Flordelis da responsabilização do crime. Flordelis também tinha o objetivo de vingar-se de dois de seus filhos ‘afetivos’ que não teriam aceitado as ordens de calar ou faltar a verdade durante os depoimentos. Os réus responderão também por associação criminosa”, registrou ainda a Promotoria.

O motivo do crime ‘seria o fato de a vítima manter rigoroso controle das finanças familiares e administrar os conflitos de forma rígida, não permitindo tratamento privilegiado das pessoas mais próximas a Flordelis, em detrimento de outros membros da numerosa família’, diz ainda o Ministério Público do Rio.

A peça enviada pelo MP fluminense à Justiça indica ainda que as ações dos outros dez denunciados se deram em diferentes etapas ‘como no planejamento, incentivo e convencimento para a execução do crime’ e ainda em tentativas de homicídio anteriores à morte do pastor Everaldo, ‘pela administração de veneno na comida e bebida da vítima, ao menos seis vezes, sem sucesso’.

Em nota, a PCERJ pontuou os crimes imputados a Flordelis: homicídio triplamente qualificado, tentativa de homicídio, falsidade ideológica, uso de documento falso e organização criminosa majorada.

A Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá  informou ainda que vai encaminhar à Câmara dos Deputados Federal cópia do inquérito com resultado da investigação ‘para adoção de medidas administrativas cabíveis’. “O procedimento poderá levar ao afastamento da parlamentar para que ela responda pelo crime na prisão”, indicou a Polícia em nota.

(em atualização)

COM A PALAVRA, OS DENUNCIADOS

A reportagem busca contato com os denunciados. O espaço está aberto para manifestações.

Tudo o que sabemos sobre:

Flordelis

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: