Promotoria coloca Píton nas ruas contra fraudes em licitações na Prefeitura de Embu-Guaçu

Promotoria coloca Píton nas ruas contra fraudes em licitações na Prefeitura de Embu-Guaçu

Operação Píton, que já prendeu cinco e bloqueou mais de R$ 2 milhões de investigados, voltou às ruas na sexta contra organização criminosa que desvia dinheiro público por meio de fraudes em licitações

Redação

18 de outubro de 2020 | 17h49

O Ministério Público de São Paulo deflagrou na sexta, 16, a quarta fase Operação Píton, que mira desvios de recursos públicos por meio de fraudes em licitações na Prefeitura de Embu-Guaçu, na região metropolitana de São Paulo.

As buscas foram coordenadas pela Procuradoria-Geral de Justiça de São Paulo, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público e a 2ª Promotoria de Embu-Guaçu.

Ao todo, foram cumpridos 12 mandados de busca e apreensão autorizados pela 1ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça e pela Vara Única de Embu-Guaçu.

Prefeitura Municipal de Embu-Guaçu, na Grande São Paulo. Foto: Google Maps/Reprodução

A Operação Píton já levou ao afastamento de quatro agentes públicos, apreensão de sete armas de fogo e mais de R$ 1,5 milhão em espécie. Cinco pessoas foram presas e mais de R$ 2 milhões em bens de investigados foram bloqueados na Justiça.

Em fevereiro, 25 pessoas foram denunciadas no âmbito da operação. De acordo com a denúncia, ‘a organização criminosa é composta por secretários municipais e ocupantes de cargos de chefia e assessoramento que, em conluio com empresários, direcionam contratos administrativos mediante fraudes em procedimentos licitatórios e de dispensa’.

COM A PALAVRA, A PREFEITURA DE EMBU-GUAÇU
A reportagem busca contato com a Prefeitura de Embu-Guaçu. O espaço está aberto a manifestações.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.