Promotoria apresenta segunda denúncia contra João de Deus e faz novo pedido de prisão

Promotoria apresenta segunda denúncia contra João de Deus e faz novo pedido de prisão

Ministério Público de Goiás acusa o médium pelos crimes de estupro de vulnerável contra quatro vítimas, e por violência sexual contra outra

Igor Moraes

15 de janeiro de 2019 | 15h04

O médium João de Deus. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil via AP

O Ministério Público de Goiás confirmou a apresentação da segunda denúncia, com novo pedido de prisão, contra João de Deus. Os promotores acusam o médium pelos crimes de estupro de vulnerável contra quatro vítimas, e por violência sexual contra outra.

De acordo com os promotores, outras oito vítimas de crimes sexuais que já estão prescritos figuram como testemunhas na denúncia, uma estratégia para reforçar os métodos utilizados por João de Deus. Além de testemunhos, entre as provas juntadas estão fotos, documentos, presentes e até comprovantes de recebimento “em espécie de benesses”.

Os crimes citados na nova denúncia teriam acontecido entre os anos de 1990 e 2018, quando as vitimas – dos Estados Goiás, Rio de Janeiro, Santa Catarina, São Paulo, Maranhão, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Distrito Federal – tinham idade entre 8 e 47 anos na época dos fatos.

Para justificar o novo pedido de prisão, a promotoria defende que a medida tem o objetivo de preservação das vítimas de eventuais represárias “físicas e espirituais”.

Réu e indiciado

João de Deus foi interrogado ontem pelos promotores dentro do Complexo Penitenciário de Aparecida de Goiânia, onde ele está preso desde o dia 16 de dezembro.

Na última quarta, 9,  o médium virou réu por estupro de vulnerável e violência sexual mediante fraude, depois que a juíza Rosângela Rodrigues dos Santos, da Comarca de Abadiânia, aceitou a primeira denúncia do Ministério Público, que o acusou de ter cometido os crimes contra quatro vítimas.

Também na semana passada, a Polícia Civil de Goiás indiciou o médium e sua mulher, Ana Keyla Teixeira, por posse ilegal de armas. Na ocasião, o médium também foi indiciado por violação sexual mediante fraude por um crime que teria sido cometido há três anos contra uma vítima de São Paulo.

De acordo com os promotores de Goiás, o Ministério Público já recebeu 688 contatos sobre o médium, dos quais foram identificadas 300 vítimas.

Mais conteúdo sobre:

João de DeusMinistério Público