Promotores ouvem João de Deus pela segunda vez

Promotores ouvem João de Deus pela segunda vez

Ministério Público de Goiás volta a interrogar nesta segunda-feira, 14, médium acusado por vítimas de centenas de abusos sexuais dentro Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, onde está detido preventivamente

Luiz Vassallo

14 de janeiro de 2019 | 15h40

Mais de 300 mulheres fizeram denúncias ao MP de Goiás contra João de Deus Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil via AP

Promotores de Goiás interrogam pela segunda vez, nesta segunda, 14, o médium João de Deus, réu por violação sexual e estupro de vulnerável, além de investigado por centenas de acusações de abusos contra mulheres e porte ilegal de armas. Ele é ouvido dentro do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, onde está detido preventivamente desde 16 de dezembro.

Os promotores chegaram às 14h para interrogar João de Deus. O depoimento decorre de investigação que deve resultar na segunda denúncia por crimes de natureza sexual. O Ministério Público de Goiás ainda deve acusar o médium nos próximos dias por porte ilegal de armas.

No fim de dezembro, o Ministério Público de Goiás apresentou denúncia acusando o médium de praticar os crimes contra quatro vítimas durante atendimento em 2018.

O processo corre em segredo de Justiça, mas de acordo com reportagem do Estado, a denúncia contém o depoimento de 19 das 79 mulheres ouvidas pela promotoria de Abadiânia.

O documento descreve dois crimes de violação sexual mediante fraude, praticados durante atendimento coletivo, e dois delitos de estupro de vulnerável, praticados durante atendimentos individuais.

Em seu primeiro depoimento, na data da prisão, João de Deus negou as acusações de abuso sexual. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.