Promotor na mira de filho de condenado por corrupção teme novo ataque

Promotor na mira de filho de condenado por corrupção teme novo ataque

Rogério Sanches, assessor da Procuradoria-Geral de Justiça de São Paulo e acusador de ex-secretário de Obras de Vinhedo que pegou 37 anos de cadeia por esquema de propinas, suspeita que outros sentenciados do mesmo grupo podem tentar mais uma ofensiva como a do homem que sábado à noite tentou invadir seu condomínio com uma faca

Fausto Macedo e Fernanda Yoneya

17 de setembro de 2018 | 06h30

Promotor Rogério Sanches. FOTO: DIVULGAÇÃO

O promotor Rogério Sanches, do Ministério Público de São Paulo, afirmou que teme ser alvo de uma nova ofensiva depois que o empresário Emiliano Ferreira Leite tentou invadir, armado com uma faca, o condomínio onde Sanches mora, em Vinhedo (SP), na noite de sábado, 15.

Emiliano Ferreira Leite é filho do ex-secretário de Obras de Vinhedo Marcos Ferreira Leite, denunciado pela Promotoria e condenado, em 2015, por participação em esquema que cobrava de empresários “vantagens econômicas espúrias, como condição para a aprovação dos projetos na prefeitura”.

Facas estavam com empresário Emiliano Ferreira Leite

O empresário, detido antes de conseguir entrar na residência do promotor de Justiça, continua preso. Investigadores apuram as razões que o levaram a tentar invadir a casa de Sanches.

Na delegacia, supostamente em “situação de surto”, Emiliano afirmou que foi ao local para “perdoar” Sanches “pelo mal” que o promotor teria causado ao seu pai, mas não explicou por que estava armado.

Segundo Sanches, Emiliano mora em uma casa construída pelo pai com dinheiro e em terreno exigidos como propina. O imóvel está bloqueado.

O esquema em Vinhedo também levou à condenação do ex-prefeito do município no interior paulista Milton Álvaro Serafim (PTB) por crime de concussão – praticado por funcionário público que exige propina em razão da função que exerce – e do ex-secretário de Administração Alexandre Ricardo Tasca (21 anos, 6 meses e 20 dias). Pai de Emiliano, Marcos Ferreira Leite foi sentenciado a 37 anos, 8 meses e 20 dias de reclusão.

O promotor é, atualmente, assessor da Procuradoria-Geral de Justiça de São Paulo, e disse que tem recebido “apoio irrestrito” após o episódio de sábado.

A reportagem está tentando localizar a defesa de Emiliano Ferreira Leite. O espaço está aberto para manifestação.