Projeto Cooperar para Transformar: um olhar do presente, com foco no futuro

Projeto Cooperar para Transformar: um olhar do presente, com foco no futuro

Roberto Ardenghy*

21 de setembro de 2021 | 05h30

Roberto Ardenghy. FOTO: DIVULGAÇÃO

Entendemos que o papel da Petrobras é muito mais do que explorar e produzir óleo das nossas reservas petrolíferas. É também o de apoiar o desenvolvimento do país. Nosso compromisso com a sociedade brasileira foi firmado desde 1953 e nos orgulhamos dessa longa trajetória e da nossa contribuição à sociedade. Neste sentido, assinamos convênio com a Prefeitura Municipal de Quissamã para o desenvolvimento, em fase piloto, do Projeto Cooperar para Transformar.

Nosso objetivo com essa iniciativa é contribuir para o aprimoramento dos sistemas de governança, controles internos e integridade municipais, com foco em eficiência, para proporcionar melhor aplicação das rendas petrolíferas (royalties bônus e participações especiais).

Após anos de trabalho intenso e fortalecimento de nossa governança, queremos disseminar as melhores práticas e colaborar para a construção de uma cultura de integridade junto aos nossos parceiros e a sociedade.

Compreendemos que cooperar e transformar são verbos complementares e que caminham na mesma direção: um olhar do presente, com foco no futuro. E que relacionamento, diálogo e transparência são a base do nosso compromisso com os nossos mais diversos públicos.

Em 2020, a Petrobras desembolsou R$ 32,2 bilhões a título de rendas petrolíferas, o que representou cerca de 60% do total recolhido pela Indústria de Óleo e Gás no Brasil. O Estado do Rio de Janeiro é responsável por 80% da produção nacional de petróleo e gás, fato que motivou a escolha do município piloto nesta unidade da federação. O Projeto Cooperar para Transformar é dinâmico e o piloto servirá de guia para a realização, futuramente, em outros municípios.

*Roberto Ardenghy, diretor executivo de Relacionamento Institucional e Sustentabilidade da Petrobras

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.