Procuradoria pede mais cinco dias de prisão para ex-secretário de Alckmin e mais 6

Procuradoria pede mais cinco dias de prisão para ex-secretário de Alckmin e mais 6

Laurence Casagrande, ex-diretor-presidente da Dersa e ex-chefe da Pasta de Logística e Transportes do Estado de São Paulo, e outros investigados foram presos na quinta, 21, por suspeita de desvios milionários nas obras do Rodoanel; todos negam envolvimento em irregularidades

Julia Affonso e Fausto Macedo

25 Junho 2018 | 18h14

Laurence Casagrande Lourenço. FOTO: Marcia Yamamoto/Alesp

O Ministério Público Federal e a Polícia Federal requereram à juíza Maria Isabel do Prado, da 5.ª Vara Criminal Federal de São Paulo, que mantenha a prisão temporária de sete investigados na Operação Pedra no Caminho – investigação sobre supostos desvios de mais de R$ 600 milhões das obras do Rodoanel Norte. Na lista estão o ex-diretor-presidente da Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S/A) que também ocupou o cargo de secretário de Logística e Transportes Laurence Casagrande (Governo Alckmin), o ex-diretor da Dersa Pedro da Silva e o atual diretor da estatal paulista Pedro Paulo Dantas Amaral.

‘Isso não pode ser por e-mail querida’

Eles foram presos temporariamente, por cinco dias, na quinta-feira, 21. O prazo do esgotamento das temporárias se encerra às 23h59 desta segunda, 25. Todos negam taxativamente envolvimento em irregularidades no empreendimento.

No caminho da PF, uma ‘camisa autografada’

“É esse valor dando aquele plus no túnel, né?”, diz fiscal da Dersa em grampo

Segundo o Ministério Público Federal, a Pedra no Caminho mira crimes praticados por agentes públicos e empresários durante as obras do Rodoanel Viário Mário Covas – Trecho Norte e envolvem a suposta prática de corrupção, organização criminosa, fraude à licitação, crime contra a ordem econômica e desvio de verbas públicas.

As obras contaram com recursos da União, do Governo do Estado de São Paulo e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e foram fiscalizadas pela Dersa.

“As obras são divididas em seis lotes, tiveram início em 2013 e ainda estão em andamento. Apurações do TCU – Tribunal de Contas da União e CGU – Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União identificaram diversas irregularidades e superfaturamento de centenas de milhões de reais, por meio da celebração de aditivos contratuais desnecessários, visando a apropriação indevida de recursos públicos em prejuízo da União, do Estado de São Paulo e do BID”, afirmou a Procuradoria da República quando a operação foi deflagrada.

“Para maquiar o sobrepreço adotou-se a prática de ‘jogo de planilhas’, expediente comum em fraudes a licitações com muitos itens contratados de forma global, em que o licitante oferece preço acima do mercado para alguns itens e abaixo da referência para outros, de modo a colocar-se artificialmente como menor preço global. Esse expediente é comum em fraudes às licitações.”

Os investigadores afirmam que o ‘TCU constatou superfaturamento na casa dos R$ 33 milhões e manipulação proposital de quantitativos nos contratos, que acabaram por ocultar impacto financeiro consistente em acréscimos indevidos que somam mais de R$ 600 milhões’.

Mais conteúdo sobre:

DERSARodoaneloperação Lava Jato