Procuradoria pede ao Supremo urgência no caso Gleisi

Procuradoria pede ao Supremo urgência no caso Gleisi

Em parecer à Corte máxima, procuradora-geral da República em exercício Ela Wiecko afirma que Paulo Bernardo foi 'operador' da mulher e senadora petista

Julia Affonso e Fausto Macedo

23 de julho de 2016 | 14h53

 O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo (à esq.), e a mulher, a senadora Gleisi Hoffmann. Foto:Dida Sampaio/Estadão

O ex-ministro do Planejamento, Paulo Bernardo (à esq.), e a mulher, a senadora Gleisi Hoffmann. Foto:Dida Sampaio/Estadão

O Ministério Público Federal requereu ao Supremo Tribunal Federal urgência no julgamento da denúncia criminal contra a senadora Gleisi Hoffmann (PT/PR) e do marido dela, o ex-ministro do Planejamento (Governo Lula), Paulo Bernardo.

A acusação diz que em 2010 a campanha de Gleisi recebeu R$ 1 milhão do esquema de propinas instalado na Petrobrás.

Em manifestação ao STF, a procuradora-geral da República em exercício Ela Wiecko afirma que Paulo Bernardo agiu como ‘verdadeiro operador’ de Gleisi. Segundo Ela Wiecko, o ex-ministro solicitou recursos de origem ilícita para abastecer a campanha da mulher.

A base da denúncia da Procuradoria-Geral da República são as delações premiadas do ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa (Abastecimento) e do doleiro Alberto Youssef, personagens decisivos da Operação Lava Jato – suas revelações incriminaram dezenas de políticos com foro privilegiado perante a Corte máxima, entre deputados e senadores.

Paulo Bernardo foi preso na Operação Custo Brasil, deflagrada em junho pela Polícia Federal e pela Procuradoria em São Paulo. Ele teria recebido R$ 7,1 milhões em propinas de um esquema com empréstimos consignados no âmbito do Ministério do Planejamento, entre 2010 e 2015.

Seis dias depois de sua prisão, o ex-ministro foi solto por ordem de Dias Toffoli, ministro do STF.

A denúncia contra Gleisi e o marido ao Supremo foi apresentada em maio por Rodrigo Janot, procurador-geral da República. O casal foi indiciado pela Polícia Federal por corrupção passiva.

A PF sustenta que Paulo Bernardo pediu o dinheiro a Paulo Roberto Costa. Durante dez anos, Costa comandou a Diretoria de Abastecimento da estatal petrolífera. Indicado pelo PP para o cargo, Costa foi o precursor do esquema de propinas na Petrobrás, segundo a Lava Jato.

A operação de entrega dos recursos para a campanha de Gleisi ficou a cargo do doleiro Youssef, segundo a Lava Jato. O dinheiro teria sido repassado por um empresário de Curitiba. A PF concluiu que Paulo Bernardo sabia da origem ilícita do dinheiro.

Quando a Procuradoria denunciou Gleisi e Paulo Bernardo ao Supremo, a defesa da senadora e do ex-ministro rechaçou a acusação.
“Todas as provas que constam no inquérito comprovam que não houve solicitação, entrega ou recebimento de nenhum valor por parte da senadora”, destacaram, na ocasião, os advogados Verônica Sterman e Rodrigo Mudrovitsch. “A denúncia sequer aponta qualquer ato concreto cometido. Baseia-se apenas em especulações que não são compatíveis com o que se espera de uma acusação penal.”

Os advogados que defendem Gleisi e Paulo Bernardo anotaram, ainda, que ‘são inúmeras as contradições nos depoimentos dos delatores que embasam a denúncia, as quais tiram toda a credibilidade das supostas delações’.

“Um deles apresentou, nada mais, nada menos, do que seis versões diferentes para esses fatos, o que comprova ainda mais que eles não existiram.”

“As referências ao ex-ministro Paulo Bernardo na denúncia baseiam-se em declarações contraditórias e inverossímeis. Não houve qualquer envolvimento dele com os fatos narrados na denúncia. Demonstraremos isso com veemência e acreditamos que a denúncia não pode ser recebida”, ressaltaram Verônica Sterman e Rodrigo Mudrovitsch.

COM A PALAVRA, OS ADVOGADOS VERÔNICA STERMAN E RODRIGO MUDROVITSCH, DEFENSORES DE GLEISI E PAULO BERNARDO

Sobre o pedido da procuradora-geral da República em exercício para que o Supremo Tribunal Federal julgue com urgência a denúncia contra a senadora Gleisi Hoffmann (PT/PR) e o ex-ministro Paulo Bernardo, os advogados Verônica Sterman e Rodrigo Mudrovitsch declaram:

“Com relação a Paulo Bernardo, ele demonstrou em sua defesa que não solicitou ou recebeu qualquer quantia para a campanha da senadora Gleisi Hoffmann em 2010. A acusação é frágil e se baseia apenas em versões contraditórias de delatores. Reafirmando o que já disse anteriormente sobre esse assunto, a senadora Gleisi Hoffmann lamenta que a mesma denúncia, já feita pelo Procurador-Geral da República no início do mês de maio, seja novamente motivo de notícia porque uma procuradora pediu agilidade no processo ao Supremo Tribunal Federal, mesmo este estando de recesso.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.