Procuradoria estica por mais seis meses força-tarefa da Lava Jato no STF

Procuradoria estica por mais seis meses força-tarefa da Lava Jato no STF

Procurador-Geral da República prorroga atuação do grupo que investiga políticos com foro privilegiado perante a Corte máxima e que terá trabalho multiplicado a partir das delações da Odebrecht

Fábio Serapião, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

25 de janeiro de 2017 | 12h43

mpflava

A Procuradoria-Geral da República expediu portaria para prorrogar, pelo prazo de seis meses, o grupo de trabalho para auxiliar o procurador-geral Rodrigo Janot na análise dos desdobramentos da Operação Lava Jato, em curso no Supremo Tribunal Federal porque envolve políticos com foro privilegiado, entre deputados, senadores e ministros.

A força-tarefa terá trabalho multiplicado a partir das delações de 77 executivos, ex-executivos e funcionários da Odebrecht. Eles fizeram mais de 900 depoimentos relatando pagamentos de propinas em diferentes obras públicas.

A PGR pode renovar a prorrogação se entender necessário.

Integram o grupo da Procuradoria-Geral da República dez membros efetivos – os procuradores da República Anna Carolina Resende Maria Garcia, Daniel de Resende Salgado, Fernando Antonio de Alencar Alves de Oliveira Júnior, Maria Clara Barros Noleto, Melina Castro Montoya Flores, Pedro Jorge do Nascimento Costa, Rodrigo Telles de Souza, Ronaldo Pinheiro de Queiroz e os promotores de Justiça do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios Sergio Bruno Cabral Fernandes e Wilton Queiroz de Lima.

A coordenação do Grupo de Trabalho será do promotor de Justiça Sergio Bruno Cabral Fernandes.

Assinada pelo procurador-geral da República em exercício na data, José Bonifácio, a Portaria PGR/MPU nº 4, de 17 de janeiro de 2017, foi publicada no Diário Oficial da União do dia 19 de janeiro, Seção 2, página 51.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoPGRSTF

Tendências: