Procuradoria em SP aprova cota de 20% para negros, pardos e índios no concurso para promotor

Procuradoria em SP aprova cota de 20% para negros, pardos e índios no concurso para promotor

Decisão tomada pelo Órgão Especial do Ministério Público paulista acolhe proposta do procurador-geral de Justiça Gianpaolo Smanio (foto) e também fixa cota de 5% para portadores de deficiência física

Fausto Macedo e Julia Affonso

17 de maio de 2017 | 19h01

Gianpaolo Poggio Smanio. Foto: SUAMY BEYDOUN/FUTURA PRESS

O Órgão Especial do Ministério Público de São Paulo aprovou a instituição de cota racial para negros, pardos e índios no próximo concurso público para o ingresso na carreira de promotor de Justiça.

O Órgão Especial é colegiado de cúpula da Instituição. A decisão acolhe proposta do procurador-geral de Justiça Gianpaolo Smanio.

De acordo com a proposta da Procuradoria-Geral de Justiça, referendada pelo colegiado, 20% dos cargos do próximo concurso serão destinados aos cotistas.
Também haverá cota de 5% para portadores de deficiência física.

De acordo com o procurador-geral de Justiça o próximo concurso deve proporcionar o ingresso de um total de 67 novos promotores de Justiça na carreira.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.