Procuradoria e Promotoria pedem a Ministério da Saúde que priorize Coronavac na Paraíba

Procuradoria e Promotoria pedem a Ministério da Saúde que priorize Coronavac na Paraíba

Em ofício conjunto, MInistério Público Federal, Estadual e do Trabalho apontam que há risco da falta do imunizante prejudicar a aplicação da segunda dose em pessoas que já receberam a primeira;

Paulo Roberto Netto

17 de abril de 2021 | 19h41

Funcionário médico prepara uma seringa contendo uma dose de uma vacina contra a Covid-19. Foto: Pascal Rossignol / Reuters

O Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual e Ministério Público do Trabalho encaminharam um ofício conjunto ao Ministério da Saúde solicitando que a pasta priorize a Coronavac ao enviar novos lotes de imunizantes à Paraíba. O motivo seria regularizar a situação de pessoas que receberam a primeira dose da vacina do Instituto Butantan, mas não receberam a segunda.

Segundo as Procuradorias e a Promotoria, o objetivo da priorização da Coronavac à vacina da AstraZeneca visa garantir a completa imunização dessas pessoas, sem que haja prejuízo à população ou desperdício de imunizantes. A pasta tem 72 horas responder o pedido.

“Após permissão do Ministério da Saúde, foi efetivado o uso de vacinas reservadas para aplicação em segunda dose (D2), para que pessoas recebessem a primeira dose do imunizante CoronaVac. Tal cenário acarretou a falta de vacinas para aplicação naquelas pessoas que já deveriam estar recebendo a segunda dose da CoronaVac, o que implica diminuição da eficácia da imunização e o consequente atraso no controle da pandemia de covid-19″, afirmam os procuradores e promotores. “Há limitação no número de doses que estão sendo enviadas aos estados, o que, aliado ao cenário acima narrado, pode acarretar ainda mais atraso na imunização completa das pessoas que receberam a primeira dose da CoronaVac”.

O pedido integrou a iniciativa Vacina Pela Vida, conduzida pelos três ramos do Ministério Público na Paraíba para acompanhar o processo de vacinação da população local.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.