Procuradoria diz que Geddel quer ‘atrasar’ audiências na ação dos R$ 51 milhões

Procuradoria diz que Geddel quer ‘atrasar’ audiências na ação dos R$ 51 milhões

Raquel Dodge pede em manifestação ao Supremo que rejeite um recurso do ex-ministro, preso na Papuda, de onde deverá acompanhar depoimentos de testemunhas por vídeoconferência, de Brasília, Salvador e São Paulo

Rafael Moraes Moura e Amanda Pupo/ BRASÍLIA

20 de agosto de 2018 | 12h40

Bunker dos R$ 51 milhões Foto: PF

Em manifestação encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, defendeu a rejeição de um recurso apresentado pela defesa do ex-ministro Geddel Vieira Lima, réu em ação penal pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa no caso do bunker de R$ 51 milhões encontrado em Salvador.

A defesa de Geddel questiona os procedimentos em torno da realização de depoimentos em São Paulo, Salvador e Brasília no âmbito da ação penal em curso no STF. Para os advogados do ex-ministro, a realização de audiências fora de Brasília – que seriam acompanhadas por Geddel por videoconferência, e não presencialmente – viola “seu direito de presença e exercício da autodefesa”.

“A videoconferência e afins — recursos de tecnologia que franqueiam contatos diretos e instantâneos — são um fenômeno inevitável da vida moderna ao qual a administração pública e até o processo penal não puderam resistir”, rebateu Raquel Dodge.

O relator do caso, ministro Edson Fachin, já havia decidido que Geddel poderia acompanhar as audiências por videoconferência, mas a defesa do ex-ministro entrou com recurso. Fachin marcou para os dias 30 de agosto e 3, 4, 10 e 11, 18 e 24 de setembro mais de 35 depoimentos, tanto de testemunhas de defesa quanto de acusação.

“Aprofundando um pouco mais a discussão, pergunta-se qual o prejuízo à defesa de Geddel se ele acompanhar e participar ao vivo das audiências de oitiva das testemunhas pela videoconferência (…)? Nenhum. Ele terá contato prévio com sua defesa, poderá fazer intervenções e até questionamentos via sua defesa técnica — tudo em tempo real, on line e sensível aos tempos de redução de gastos públicos’”, escreveu Raquel Dodge.

A procuradora-geral da República ainda ressaltou que o Brasil elevou ao status constitucional “as garantias fundamentais do processo e dos meios que garantam a celeridade de sua tramitação”.

A reportagem está tentando localizar a defesa de Geddel. O espaço está aberto para manifestação.

Tudo o que sabemos sobre:

Geddel Vieira Lima

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.