Procuradoria diz que ameaça a Barroso é ‘clara’ e recorre de decisão que rejeitou denúncia contra blogueiro bolsonarista Allan dos Santos

Procuradoria diz que ameaça a Barroso é ‘clara’ e recorre de decisão que rejeitou denúncia contra blogueiro bolsonarista Allan dos Santos

Ministério Público Federal no Distrito Federal rechaça ideia de que falas do criador do canal Terça Livre tenham sido proferidas por impulso e diz que é 'patente' a incitação ao crime causada pelo bolsonarista

Pepita Ortega

31 de agosto de 2021 | 13h34

O blogueiro Allan dos Santos durante depoimento na CPMI das Fake News, no Congresso. Foto: Alessandro Dantas / Agência Senado

O Ministério Público Federal recorreu da decisão que rejeitou denúncia apresentada contra o blogueiro bolsonarista Allan dos Santos, criador do canal Terça Livre, por ameaças feitas ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral Luís Roberto Barroso e incitação ao crime. Na peça enviada ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região nesta segunda-feira, 30, a Procuradoria sustenta que a ameaça a Barroso ficou ‘clara’ e que Allan agiu de forma criminosa ao veicular promessas de violência a uma autoridade.

O recurso do MPF no Distrito Federal foi apresentada contra decisão dada na terça-feira passada, 24, pela juíza Pollyana Kelly Maciel Medeiros Martins Alves, da 12ª Vara Federal Criminal do DF. No despacho, a juíza disse que declarações do blogueiro não configuram ‘ameaças sólidas’ e que ‘um magistrado não pode nem deve ser facilmente intimidado’.

A Procuradoria argumenta que tais fundamentos apresentados pela juíza não se sustentam, considerando que o próprio ministro representou contra Allan. Segundo o MPF, tal situação demonstra a intimidação causada pela fala do blogueiro.

“Em meio a tanta tensão política ocorrida no país nos últimos anos, qualquer instigação mais enérgica propagada por pessoas com grande influência nas mídias sociais da internet, como o caso de Allan dos Santos, facilmente serve de estímulo para que terceiros cheguem às vias de fato e concretizem as agressões e violências sugeridas no discurso”, registra trecho do recurso.

O MPF ainda rechaçou a ideia de que as falas de Allan tenham sido proferidas por impulso ou em momento em que os ânimos estivessem exaltados. “O blogueiro gravou um vídeo, editou e postou na internet. Teve tempo para premeditar se iria ou não divulgar, bem como se retiraria do ar tais falas, caso percebesse em seguida que as havia proferido no ímpeto das suas emoções”, apontou a Procuradoria em nota.

As declarações contra o ministro estão registradas em um vídeo publicado pelo blogueiro em seu canal no Youtube em novembro. Na gravação, Allan dos Santos diz: “Tira o digital, se você tem culhão! Tira a porra do digital, e cresce! Dá nome aos bois! De uma vez por todas Barroso, vira homem! Tira a porra do digital! E bota só terrorista! Pra você ver o que a gente faz com você. Tá na hora de falar grosso nessa porra!”.

De acordo com a Procuradoria, o crime incitado por Allan ‘pode ser facilmente identificado’ no trecho em que diz: ‘Pra você ver o que a gente faz com você’. “Por mais que não esteja de forma explícita e detalhada qual será a atitude que Allan dos Santos irá realizar, caso a ameaça se concretize, é possível inferir-se que, no mínimo, trata-se de uma lesão corporal contra o ministro do STF”, afirma o MPF. Os procuradores dizem que é ‘patente’ a incitação causada pelo bolsonarista.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.