Procuradoria denuncia Henrique Alves, Eduardo Cunha e Funaro

Procuradoria denuncia Henrique Alves, Eduardo Cunha e Funaro

Procuradores da República no Rio Grande do Norte acusam peemedebistas de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa

Luiz Vassallo

29 de novembro de 2017 | 16h19

Henrique Alves e Eduardo Cunha. Foto: Ed Ferreira/Estadão

A Procuradoria da República no Rio Grande do Norte denunciou o os ex-presidentes da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) e Eduardo Cunha (PMDB-RJ) pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. A acusação é embasada, entre outras provas, nos acordos de delação do doleiro Lúcio Funaro, também denunciado, e do empresário Fred Queiroz.

+ Em três anos, Funaro repassou R$ 6,3 milhões a Henrique Alves, diz PF

Ligado ao peemedebista, Fred chegou a ser preso na Operação Manus, deflagrada no Rio Grande do Norte para apurar fraudes de R$ 77 milhões na construção da Arena das Dunas.

+ Henrique Alves e Eduardo Cunha juntos no banco dos réus por propina na Arena das Dunas

Fred Queiroz confessou ter operado R$ 11 milhões em caixa dois para a campanha de Henrique Alves em 2014, ao governo potiguar.

Ele relatou ter buscado R$ 7 milhões, ainda no primeiro turno, das mãos de um emissário, que teria levado, em um avião, o montante em dinheiro vivo.

Em delação premiada, Lúcio Funaro disse ser o emissário que levou o dinheiro para a campanha de Henrique Alves.

Em ação da PF no Rio Grande do Norte, o peemedebista foi preso preventivamente no dia 6 de junho – ele é investigado por desvios nas obras do estádio e, em Brasília, é alvo da Operação Sépsis, por supostas irregularidades na Caixa Econômica Federal. A representação também foi protocolada contra Eduardo Cunha, que já estava preso desde outubro de 2016.

COM A PALAVRA, HENRIQUE ALVES

A reportagem entrou em contato com a defesa. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO DÉLIO LINS E SILVA JÚNIOR, QUE DEFENDE EDUARDO CUNHA

“A denúncia é aventureira, baseada exclusivamente na palavra de um delator já conhecido por suas inúmeras mentiras, além de já estar abarcada por uma ação penal da décima vara”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.