Procuradoria denuncia ex-deputado do PMDB que pagou cozinheira e motorista com dinheiro público

Procuradoria denuncia ex-deputado do PMDB que pagou cozinheira e motorista com dinheiro público

Ação aponta que Lamartine Posella Sobrinho gastou R$ 106 mil com os dois empregados

Julia Affonso, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

22 de fevereiro de 2017 | 16h39

Lamartine Posella. Foto: Reprodução/Câmara dos Deputados

Lamartine Posella. Foto: Reprodução/Câmara dos Deputados

Em duas ações penais enviadas à Justiça, o Ministério Público Federal, em Brasília, denunciou o ex-deputado Lamartine Posella Sobrinho (PMDB/SP) e o ex-chefe de gabinete Célio Augusto Jardim do Amaral Mello por desvio de recursos públicos. Se forem condenados, o ex-parlamentar e o ex-assessor poderão pegar de dois a doze anos de reclusão pelo crime de peculato. As duas ações serão analisadas na Justiça Federal, em Brasília.

As informações foram divulgadas pela Procuradoria da República nesta quarta-feira, 22. As ações são resultado de inquéritos policiais e de investigações realizadas pelo Núcleo de Combate à Corrupção (NCC) da Procuradoria da República no Distrito Federal e se referem a fatos ocorridos entre 1998 e 2003 (no caso do ex-deputado) e de 2003 a 2006, em relação ao assessor.

Na ação em que pede condenação do ex-deputado, o procurador da República Paulo Henrique Ferreira Brito afirma que Lamartine Posella nomeou para o cargo em comissão de secretário parlamentar Mário Sérgio de Almeida e Fabiana de Irineu Jesus da Silva.

“No entanto, durante as investigações, ficou comprovado que eles atuaram respectivamente, como motorista e cozinheira na residência de Posella. Somados, os pagamentos – feitos com dinheiro público – aos dois empregados domésticos, chegam a R$ 106 mil. Em depoimentos, os dois funcionários confirmaram que nunca trabalharam na Câmara dos Deputados”, diz a nota da Procuradoria.

Segundo o Ministério Público Federal, as investigações contra o ex-deputado tiveram como ponto de partida uma representação, segundo a qual, Lamartine Posella havia nomeado para o cargo em comissão outra pessoa, que atuava como cozinheira em sua residência na capital paulista. Os investigadores afirmam terem encontrado elementos que confirmaram a adoção da mesma conduta em relação a Mário e Fabiana.

O motorista afirmou no processo que durante os seis anos em que prestou serviço a Lamartine só esteve em Brasília uma vez “para retirar documentos” e que não sabia onde era o gabinete do parlamentar.

De acordo com a denúncia, Mário recebeu dos cofres públicos R$ 91.225,22. Em relação a Fabiana, o total recebido foi de R$ 14.892,88. Na ação, o MPF frisa que nem mesmo os termos de posse foram assinados pelos dois empregados, mas por outra pessoa, conforme revelam documentos incluídos nos autos.

Segundo processo. A ação penal contra Célio Augusto Jardim do Amaral Mello, ex-chefe de gabinete do então deputado federal Mário Heringer (PDT/MG), aponta que o ex-assessor se apropriou de parte dos salários de assessores parlamentares lotados no gabinete. A denúncia cita pessoas que foram nomeadas a partir da indicação de Célio Augusto e que, como “condição” para a permanência nos cargos, eram obrigadas a repassar a ele parte da remuneração mensal.

“A pessoa nomeada como assessor parlamentar outorgava uma procuração ao denunciado dando poderes para abrir e/ou movimentar a conta, normalmente do Banco do Brasil, na qual seriam recebidos os proventos do funcionário”, detalha um dos trechos da ação.

As suspeitas contra o então chefe de gabinete foram investigadas, inicialmente, em um processo disciplinar instaurado pela própria Câmara dos Deputados e que teve o resultado enviado ao Ministério Público Federal. Na ação, o procurador cita o fato de terem sido encontrados com Célio Augusto as procurações que lhe permitiam movimentar as contas abertas em nome dos assessores.

“Com a análise de extratos bancários entregues pelo próprio Célio, foi possível constatar a existência de várias transferências eletrônicas em datas próximas ao recebimento das remunerações. Por fim, a prática criminosa também foi confirmada em depoimentos de parte dos assessores. Um deles disse ter sido coagido pelo chefe de gabinete a fazer a procuração, além de afirmar que só aceitou a proposta porque estava desempregado e “precisava trabalhar para se manter””, afirma a nota da Procuradoria.

Ao longo do processo preliminar de apuração, sete assessores foram chamados para explicar a transferência de valores para a conta bancária do então chefe de gabinete. Cinco deles negaram a prática, mas um detalhe chamou a atenção dos investigadores. Todos tinham alguma relação de parentesco com Célio Augusto. A lista inclui a esposa, a mãe, a sogra, um tio e até o irmão da cunhada do denunciado. Célio Augusto foi chefe de gabinete do parlamentar mineiro entre os anos de 2003 e 2010, quando foi exonerado, em decorrência da descoberta da prática criminosa.

A reportagem tentou contato com Lamartine Posella Sobrinho por meio de seu site oficial. Célio Augusto Jardim do Amaral Mello não foi localizado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.