Procuradoria denuncia cinco por 1,2 tonelada de cocaína no café e no melão

Procuradoria denuncia cinco por 1,2 tonelada de cocaína no café e no melão

Ministério Público Federal imputa tráfico de drogas e associação para tráfico a grupo preso no dia 7 de dezembro em Parnamirim, região Metropolitana de Natal

Pepita Ortega

03 de janeiro de 2020 | 14h00

O Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte denunciou cinco homens que foram presos por manter 1.261,25 quilos de cocaína em galpões à margem da BR101, em Parnamirim, região Metropolitana de Natal. Quando houve o flagrante do grupo, no dia 7 de dezembro, agentes encontraram 1.096 tabletes da droga em meio a sacos de pó de café. As embalagens, por sua vez, estavam acondicionadas em meio a uma carga de melão que seria supostamente enviada para a Dinamarca.

Segundo a Procuradoria, uma outra parte da droga foi localizada atrás de uma parede falsa em outro galpão.

Trecho da BR 101 em Parnamirim, Foto: Google Maps

Erinaldo Dionísio Queiroz (38 anos), Anderson Pereira Ribeiro (27), Fábio Rodrigues Jardim (36), João Paulo dos Santos Ferreira (39) e Pedro Pereira Vieira (55) responderão por tráfico de drogas e associação para o tráfico.

As penas previstas para tais crimes são de reclusão de 5 anos a 15 anos e de 3 anos a 10, respectivamente.

As informações foram divulgadas pela Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte na segunda, 30.

O Ministério Público Federal indicou que as investigações ainda buscam identificar possíveis envolvidos que ainda não foram presos. Ocupantes de um Fiat Uno utilizado pela quadrilha conseguiram escapar da ação do último dia 7, diz o órgão.

Segundo a Procuradoria, a apuração teve início quando policiais da Delegacia de Repressão a Entorpecentes receberam informações sobre a atividade ilícita em uma área de galpões do bairro Emaús, na cidade de Parnamirim.

O Ministério Público apontou ainda que em outras apreensões de cocaína feitas recentemente no Rio Grande do Norte foram constatadas características semelhantes às da ação que prendeu o grupo denunciado, nas quais a droga era mantida em galpões para ser inserida em cargas lícitas, especialmente frutas, e enviada à Europa através do porto de Natal.

COM A PALAVRA, A DEFESA

A reportagem busca acesso à defesa dos cinco denunciados. O espaço está aberto para manifestação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.