Procuradoria cobra do Ministério da Saúde informações sobre respiradores e ocupação de leitos na rede particular

Procuradoria cobra do Ministério da Saúde informações sobre respiradores e ocupação de leitos na rede particular

Em meio à pandemia, MPF alerta que 76% da população brasileira não tem plano de saúde e que metade dos leitos de UTI do País pertence a estabelecimentos privados

Redação

09 de maio de 2020 | 15h15

Respiradores. FOTO: WILTON JUNIOR/ESTADÃO

O Ministério Público Federal pediu ao Ministério da Saúde que sejam coletadas e fornecidas informações sobre a taxa de ocupação de leitos e a quantidade de respiradores pulmonares na rede privada de saúde. A Procuradoria quer que, com essas informações em mãos, a pasta regulamente a requisição de leitos privados pelos gestores públicos, definindo critérios para avaliar a necessidade dos pedidos, bem como as regras de custeio e de acesso às vagas.

A recomendação do MPF foi expedida conjuntamente pelas Procuradorias da República em São Paulo e no Rio de Janeiro, Estados onde a incidência da covid-19 é aproximadamente 50% maior do que a nacional. Especialistas alertam que nos dois Estados há risco de colapso dos sistemas de saúde.

As informações foram divulgadas neste sábado, 9, pelo Ministério Público Federal.

Documento

O Brasil registra 9.897 mortes e 145.328 casos confirmados de coronavírus, em todas as unidades federativas, de acordo informações do Ministério da Saúde desta sexta-feira, 8. São Paulo é o epicentro da doença, com 3,4 mil óbitos pela covid-19.

A requisição de bens e serviços da saúde privada em situação de pandemia está prevista na Constituição e nas Leis 8.080/1990 e 13.979/2020, além de ter sido recomendada pelo Conselho Nacional de Saúde. Cabe ao Ministério da Saúde e às secretarias estaduais e municipais da área regular o acesso a serviços privados conforme a demanda de casa região.

Segundo dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e do Ministério da Saúde, 75,75% dos brasileiros não têm acesso a plano de saúde, enquanto metade dos leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) do País pertence a estabelecimentos particulares (cerca de 15 mil).

“Nesse porcentual da população que depende do SUS é que se encontram as pessoas que residem em áreas de grande concentração urbana e com poucos recursos públicos de saneamento e de assistência à saúde e que, portanto, estão mais suscetíveis à contaminação pela covid-19, diante da dificuldade de adotar as medidas de isolamento social”, afirmara integrantes do MPF.

O MPF recomenda que, no prazo de cinco dias, o Ministério da Saúde altere a portaria 758, de 9 de abril de 2020, para que o registro de internações hospitalares dos casos suspeitos e confirmados de covid-19 passe a ser obrigatório em todos os estabelecimentos de saúde públicos e privados, independentemente da prestação de serviços pelo SUS.

Entre as informações a serem fornecidas pelas unidades de saúde deverão ser incluídas a taxa de ocupação de todos os seus leitos e o número de respiradores pulmonares em uso, livres e em manutenção. As Procuradorias pedem que os dados coletados sejam apresentados na internet.

Tudo o que sabemos sobre:

coronavírus

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.