Procuradoria investiga relação entre queimadas na Amazônia e ‘chuva e céu escuros’ em São Paulo

Procuradoria investiga relação entre queimadas na Amazônia e ‘chuva e céu escuros’ em São Paulo

Os procuradores afirmam investigar a adequação de políticas públicas estaduais e federais para o combate ao desmatamento e às queimadas no Estado, diante de notícias de aumento do número de focos de incêndio e de taxas de desmate em 2019

Luiz Vassallo, Pedro Prata e Fausto Macedo

23 de agosto de 2019 | 17h27

A explicação mais provável e aceita é que o responsável seja o fogo que consome a distante floresta úmida da Amazônia Foto: NILTON FUKUDA/ESTADÃO

A força-tarefa Amazônia do Ministério Público Federal pediu à Universidade de São Paulo (USP) e à Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS) que encaminhem análise sobre a relação entre a chuva e céu escuros desta segunda-feira, 19, na capital paulista e o aumento da fumaça das queimadas na Amazônia.

Os procuradores afirmam apurar ‘por meio de inquérito civil, a adequação de políticas públicas estaduais e federais para o combate ao desmatamento e às queimadas no Estado, diante de notícias de aumento do número de focos de incêndio e de taxas de desmate em 2019’.

Chuva e céu escuros

Segundo a procuradoria, ‘diante do fenômeno climático ocorrido em São Paulo na tarde do dia no dia 20 de agosto, quando o céu da cidade escureceu às 15h e os moradores coletaram água da chuva de cor escura que, analisada por institutos de pesquisa, revelaram a presença de substâncias nocivas relacionadas às queimadas, o MPF expediu ofícios à Universidade de São Paulo (USP) e à Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS)’.

“Ao Instituto de Física da USP, o MPF encaminhou nove quesitos a serem respondidos pelo corpo docente da instituição, em relação a possível aumento no número e intensidade de queimada na região amazônica, com causas prováveis para a ocorrência; à dispersão da fumaça das queimadas na Amazônia para outras regiões do Brasil e até para outros países da América do Sul; ao impactos das emissões de fumaça sobre as populações urbana e rurais da Amazônia, inclusive populações tradicionais e indígenas; à relação das queimadas na região amazônica e o fenômeno do céu escuro em São Paulo; e aos possíveis danos ambientais irreversíveis causados pelas queimadas”, afirma o MPF.

O Ministério Público Federal diz que ‘requisitou também os laudos das análises de amostras da fuligem e água da chuva em São Paulo, no dia do fenômeno climático da chuva escura, realizadas pelo Instituto de Química da USP e pela USCS’. “O prazo previsto para a remessa dos documentos é de dez dias”.

O MPF encaminhou ofícios também ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e ao Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) para que respondam, em cinco dias, dada a urgência da situação, sobre o número de focos de incêndio e medidas adotadas pelos órgãos.

Contrato

De acordo com a Procuradoria, no curso do procedimento, o MPF fez questionamentos ao Ministério do Meio Ambiente (MMA), inclusive sobre a possível contratação de empresa privada de monitoramento, a despeito do trabalho já realizado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe)’.

“No documento encaminhado à Secretaria Executiva do MMA, além das justificativas para a eventual contratação, o MPF requisitou informações sobre o planejamento de atividades fiscalizatórias do desmatamento na Amazônia para este ano, destacando que a resposta deve preservar o sigilo sobre datas e locais, mas indicar o número de ações planejadas, com o orçamento disponível e o quantitativo de insumos materiais e humanos para a atividade, dentre outras informações. O prazo para resposta é de 20 dias”, dizem.

Acompanhamento nacional

A Câmara de Meio Ambiente e Patrimônio Cultural do Ministério Público Federal (4CCR/MPF) afirma que ‘vem acompanhando a execução de ações de fiscalização e combate ao desmatamento desde o ano passado’. “Em dezembro de 2018, requisitou ao Ibama o planejamento detalhado das atividades de fiscalização e licenciamento para 2019. Os dados foram remetidos sob sigilo aos procuradores da República em todo o país, para acompanhamento e apuração, no âmbito de inquérito civil público, de eventual redução das atividades fiscalizatórias dos órgãos ambientais”.

Tudo o que sabemos sobre:

Floresta Amazônica

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: