Procuradoria aponta o ‘custo da corrupção’ na Petrobrás

Procuradoria aponta o ‘custo da corrupção’ na Petrobrás

Nova fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta sexta-feira, 20, mostra que contratos da estatal petrolífera com a Odebrecht praticamente triplicaram de valor por meio de aditamentos promovidos por ex-gerentes que pegaram R$ 95 milhões em propinas para favorecer a empreiteira

Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, e Julia Affonso

20 de outubro de 2017 | 14h25

Petrobrás. Foto: PAULO VITOR/AGENCIA ESTADO/AE

A força-tarefa da Operação Lava Jato descobriu que contratos da Petrobrás com a Odebrecht praticamente triplicaram de valor por meio de aditivos firmados por ex-gerentes de áreas estratégicas da estatal petrolífera com a Odebrecht. “É o custo da corrupção”, disse o procurador da República Robserson Pozzobon.

‘Jabuti’ da Petroquisa pegou R$ 28,4 mi em propinas

‘Grande surpresa’, disse corrupto ‘arrependido’ à CPI em 2015, sobre propinas na Petrobrás

Moro condena operador do PMDB a 13 anos e 8 meses de prisão

Glaucos ligou para advogado de Lula um dia antes de coercitiva do ex-presidente

Moro manda prender ex-gerente da Petrobrás na Lava Jato

Nesta sexta-feira, 20, a Polícia Federal e a Procuradoria deflagraram a fase 46 da Lava Jato que, desta vez, não recebeu nenhum nome de batismo, quebrando uma tradição que vinha se mantendo desde março de 2014, quando a operação saiu às ruas pela primeira vez.

Quatro ex-gerentes da Petrobrás são o alvo do novo passo da Lava Jato. A investigação mostra que eles receberam propinas de R$ 95 milhões, dos quais R$ 32 milhões no exterior, em contas na Suíça, na Inglaterra e nas Bahamas.

As propinas saíram de dois Contratos de Aliança. Em 1.º de dezembro de 2008, a Odebrecht firmou o Contrato de Aliança 027/2008 com a Companhia Petroquímica de Pernambuco – Petroquímica Suape (PQS), com o preço meta de R$ 1.085 bilhão e o preço teto de R$ 1.194 bilhão, para construção de uma planta industrial de Ácido Terefálico Purificado (PTA).

Em 22 de junho de 2011, foi assinado aditivo no valor de R$ 330 milhões. Em 14 de outubro de 2011, novo aditivo constituindo a denominada Verba Contigencial no valor de R$ 256,68 milhões. Ao final, o contrato ficou em R$ 1.914 bilhão, ‘com atraso significativo na conclusão da obra’.

Atrelado ao primeiro contrato, a Odebrecht celebrou, em 4 de dezembro de 2009, o Contrato de Aliança 017/2009, com o preço meta de R$ 453,22 milhões, seguido, em 1.º de setembro de 2010, pelo Contrato de Aliança 014/2010 com a Companhia Integrada Têxtil de Pernambuco – CITEPE, com o preço meta de R$ 1.79 bilhão, para contrução de plantas industriais da CITEPE e de produção de filamentos têxteis (POY) e poletileno tereflatado (PET).

A investigação mostra que em 29 de março de 2011, foi celebrado aditivo que elevou o preço meta para R$ 2,24 bilhões. Em 3 de junho de 2012, foi firmado novo aditivo com elevação do preço meta para R$ 3,59 bilhões, ‘com atraso ainda significativo da obra’.

“Um caso que evidencia o custo da corrupção, na medida em que funcionários públicos deixam de agir em benefício da empresa (Petrobrás) e passam a atuar pelo interesse da empreiteira (Odebrecht)”, disse o procurador Roberson Pozzobon.

Tudo o que sabemos sobre:

Petrobrásoperação Lava Jato

Tendências: