Marinha assume operação de buscas de indigenista e jornalista desaparecidos na Amazônia

Marinha assume operação de buscas de indigenista e jornalista desaparecidos na Amazônia

Comando de Operações Navais rastreia paradeiro de do indigenista Bruno Araújo e do jornalista Dom Phillips que sumiram no domingo, 5, no Vale do Javari, extremo Oeste do Estado; Procuradoria abre investigação

Pepita Ortega

06 de junho de 2022 | 15h07

Jornalista e indigenista desapareceram na região do Vale do Javari. Foto: Adam Mol/Funai

O Ministério Público Federal no Amazonas abriu um procedimento administrativo para investigar o desaparecimento do indigenista Bruno Araújo e do jornalista Dom Phillips na região do Vale do Javari, no extremo oeste do Estado.

A Procuradoria acionou a Polícia Federal, a Polícia Civil, a Força Nacional, a Frente de Proteção Etnoambiental Vale do Javari e a Marinha para acompanhamento do caso.

A Marinha informou ao órgão que vai conduzir as atividades de busca na região, por meio do Comando de Operações Navais.

O Comando Militar da Amazônia, que atua na região, disse mais cedo que ‘está em condições de cumprir missão humanitária de busca e salvamentos’, mas informou que as ações só serão iniciadas ‘mediante acionamento por parte do Escalão Superior’.

Na tarde desta segunda-feira, 6, o procurador-geral da República Augusto Aras e o ministro da Justiça Anderson Torres se reuniram para tratar do caso. Segundo a PGR, o chefe do Ministério Público Federal ‘destacou a importância de as instituições atuarem de forma conjunta nas buscas e nos demais desdobramentos’.

Os procuradores no Amazonas vão intermediar as ações de buscas, ‘mobilizando as forças para assegurar a atuação integrada e articulada das autoridades’.

Em nota, a superintendência da Polícia Federal no Amazonas diz que está ‘acompanhando e trabalhando’ no caso. Segundo a corporação, as ‘diligências estão sendo empreendidas e serão divulgadas oportunamente’.

A Procuradoria da República no Amazonas foi acionada pela União dos Povos Indígenas do Vale do Javari na manhã desta segunda-feira, 6.

Bruno Araújo Pererita e Dom Philips esão desaparecidos há mais de 24 horas, diz União das Organizações Indígenas do Vale do Javari (Univaja). Foto: Bruno Jorge/Divulgação/Funai e Twitter/Reprodução

De acordo com as informações iniciais, o desaparecimento ocorreu no trecho entre a comunidade São Rafael e o município de Atalaia do Norte, informou o MPF.

Segundo a Univaja, Bruno Araújo e Dom Philips, estão desaparecidos há mais de 24 horas, tendo se deslocado para visitar a equipe de Vigilância Indígena que se encontra próximo ao chamado Lago do Jaburu. A União diz que a dupla saiu da comunidade de São Rafael por volta das seis horas da manhã, rumo a Atalaia do Note, em uma viagem que dura cerca de duas horas, mas não chegaram à cidade no horário previsto.

Uma equipe da Univaja, formada por indígenas ‘extremamente conhecedores da região’, saiu em busca do indigenista e do jornalista, percorrendo o mesmo trecho que Bruno Pereira e Dom Phillips supostamente teriam percorrido, mas não encontraram vestígios da dupla.

A União dos Povos Indígenas do Vale do Javari ressaltou ainda que, na semana do desaparecimento, a equipe recebeu ameaças em campo. “A ameaça não foi a primeira, outras já vinham sendo feitas a demais membros da equipe técnica da UNIVAJA, além de outros relatos já oficializados para a Policia Federal, ao Ministério Público Federal em Tabatinga, ao Conselho nacional de Direitos Humanos e ao Indigenous Peoples Rights International”, registrou a entidade em nota.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.