Procuradoria acusa 16 por tráfico internacional de armas

Procuradoria acusa 16 por tráfico internacional de armas

Investigação iniciada a partir da apreensão no Galeão em junho revelou como fuzis e munições entravam no Brasil para suprir facções criminosas no Rio de Janeiro

Julia Affonso e Luiz Vassallo

02 Agosto 2017 | 18h05

Fuzis apreendidos se dividem em três modelos: 45 são AK-47 (considerado o preferido dos criminosos pela resistência), 14 AR-10 e um G-3 Foto: Márcio Mercante/O Dia

O Ministério Público Federal, no Rio, denunciou 16 investigados por tráfico internacional de armas. A acusação é resultado de investigação iniciada a partir da apreensão, no dia 1 de junho de 2017, pela Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, com apoio da Polícia Federal, de 60 fuzis, 60 carregadores e 140 munições no Aeroporto Internacional do Galeão, oriundos de Miami (EUA).

Documento

Os fuzis foram apreendidos pela Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme) e pela Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC) Foto: Polícia Civil

A denúncia foi integralmente recebida pelo juízo da 8ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, que também determinou, a pedido do Ministério Público, a prisão preventiva de quatorze dos denunciados.

Segundo a Procuradoria da República, entre 2014 e 2017, os acusados importaram 75 vezes armamentos em desacordo com as exigências legais. Nas declarações de importação, constavam aquecedores e bombas d’água, mas, na verdade, aqui chegavam meras carcaças dos produtos declarados, em cujo interior eram escondidos armas de fogo, acessórios e munições de uso restrito.

 

A estimativa é que, durante três anos, os denunciados internalizaram, em território brasileiro, cerca de 297.000 de munições e cerca de 1.043 fuzis com carregadores. As armas eram adquiridas por valores entre US$ 2.500,00 a US$ 3.500,00 e vendidas por valores entre R$ 37.500 e R$ 53 mil.

Os denunciados Fredererik Barbieri, Ana Cláudia Santos, João Filipe Cordeiro Barbieri, Alexandre Cláudio Duarte Pires, Edson da Silva Ornellas, Mrcus Garrido Lourenço, Cláudio Alves Mendonça, Márcio Pereira e Costa, João Victor Silva Roza, Gil dos Santos Almeida, José Carlos dos Santos Lins, André Callil Assen, Victor Hugo Ferreira dos Santos Cardozo, Francisco Souza Siqueira e Luciano de Andrade Faria são acusados pelos crimes de organização criminosa (art. 2º, caput, e §§ 2º e 4º, incisos III, IV e V, da Lei no 12.850, de 2013), tráfico internacional e comércio ilegal de armas de fogo, munições e acessórios de uso restrito (artigos 17, 18 e 19, da Lei no 10.826, de 2003).

As investigações revelaram a existência da organização criminosa, chefiada por Frederik Barbieri, que tem dupla nacionalidade (brasileiro e norte-americano), Ana Cláudia Santos (casada com Frederik) e João Filipe Cordeiro Barbieri (filho do casal). Eles adquiriam armamento em Miami, remetiam-no ao Brasil escondido em aquecedores de piscina e bombas d’água e o distribuíam a integrantes de facções criminosas que atuam no Rio de Janeiro.