Procuradores reagem a ataques e atribuem a Witzel ‘tentativa de politizar’ investigação do MPF

Procuradores reagem a ataques e atribuem a Witzel ‘tentativa de politizar’ investigação do MPF

Associação Nacional dos Procuradores da República divulgou nota rebatendo o governador do Rio, que mais cedo acusou a subprocuradora responsável por sua denúncia de perseguição política e ligação com a família Bolsonaro

Redação

28 de agosto de 2020 | 21h08

A Associação Nacional dos Procuradores da República divulgou nota nesta sexta, 28, para rebater as críticas do governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, contra a subprocuradora-geral Lindôra Araújo, responsável pela denúncia que o acusa de corrupção e lavagem de dinheiro.

Mais cedo, o governador acusou Lindôra de perseguição política e ligação com a família Bolsonaro.

“Uma procuradora cuja imprensa já denunciou um relacionamento próximo com a família Bolsonaro. Bolsonaro que já declarou que quer o Rio de Janeiro, já me acusou de perseguir a família dele”, disse Witzel.

“Eu quero desafiar o Ministério Público Federal, na pessoa da doutora Lindôra – porque a questão agora é pessoal –, que me acusou de chefe da organização criminosa. Quero que ela apresente um único e-mail, um único telefonema, uma prova testemunhal, um pedaço de papel, que eu tenha pedido qualquer tipo de vantagem ilícita”, continuou o governador.

O governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel (PSC) durante entrevista no Palácio Guanabara. Foto: Wilton Júnior / Estadão

A ANPR rebateu Witzel, classificando as acusações como ‘tentativa politizar ou desacreditar o trabalho desenvolvido pelo Ministério Público Federal’.

“As acusações feitas pelo MPF perante o Superior Tribunal de Justiça estão lastreadas por vasta documentação obtida nas Operações Favorito e Placebo, e amparadas, ainda, por delação de ex-autoridade pública do próprio governo estadual”, afirma a entidade. “A tentativa de politizar ou desacreditar o trabalho desenvolvido pelo MPF merece ser veementemente rechaçada”.

LEIA A ÍNTEGRA DA NOTA:

“O trabalho dos membros do MPF é realizado com lisura, seriedade e respeito às regras legais vigentes, sendo submetido, ainda, sempre, à devida análise do Poder Judiciário.

A Operação Tris in Idem revelou grave esquema de desvios de recursos públicos operado no governo do Rio de Janeiro, dinheiro esse que deveria ser destinado, principalmente, ao combate à pandemia de Covid-19, doença que, até o presente momento, já custou a vida de quase 16 mil pessoas naquele estado.

As acusações feitas pelo MPF perante o Superior Tribunal de Justiça estão lastreadas por vasta documentação obtida nas Operações Favorito e Placebo, e amparadas, ainda, por delação de ex-autoridade pública do próprio governo estadual.

A tentativa de politizar ou desacreditar o trabalho desenvolvido pelo MPF merece ser veementemente rechaçada, com o devido desagravo a todos os colegas que contribuíram para mais um exemplar trabalho desenvolvido contra a corrupção no país”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: