Procuradores ‘batem boca’ no Twitter por Deltan da Lava Jato

Procuradores ‘batem boca’ no Twitter por Deltan da Lava Jato

'Há interesses de quem cometeu crimes e foi atingido pela operação’, acusou Helio Telho, do Ministério Público Federal em Goiás, sobre pressão para afastar coordenador da força-tarefa no Paraná; Wilson Rocha, também do MPF de Goiás, que defende o afastamento, perguntou: ‘cometi crime’ ou ‘fui atingido pela operação?’

Pedro Prata

05 de agosto de 2019 | 17h20

Dois procuradores da República de Goiás protagonizaram uma refrega nas redes sociais por causa do procurador e coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol.

Deltan Dallagnol é procurador e coordenador da Operação Lava Jato. Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Suposta troca de mensagens revelada pelo site The Intercept Brasil teria colocado em xeque a atuação do procurador junto ao ex-juiz federal Sergio Moro.

O procurador Helio Telho escreveu em sua conta no Twitter no domingo, 4, que não via razão jurídica ou previsão legal para o afastamento de Dallagnol. “Há, apenas, interesses de quem cometeu crimes e foi atingido pela operação e que está tirando proveito da deturpação e da descontextualização midiática de mensagens criminosamente obtidas”, ele opinou.

Por sua vez, o também procurador Wilson Rocha acusou Deltan de ‘valer-se da popularidade amealhada para obter ganhos financeiros pessoais’ e defendeu seu afastamento.

Depois, voltando-se para Telho, perguntou: “Em qual grupo você me enquadraria: cometi crime; fui atingido pela operação; ou tiro proveito da ‘descontextualização midiática de mensagens criminosamente obtidas’”?

Telho aceitou a provocação e respondeu: “O seu (caso), meu caro Wilson Rocha, temo que seja caso perdido”.

Tudo o que sabemos sobre:

Deltan Dallagnol

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: