Procuradora diz que apreensão de passaporte e CNH de devedor é inconstitucional

Procuradora diz que apreensão de passaporte e CNH de devedor é inconstitucional

Em parecer ao Supremo, Raquel Dodge sustenta que 'não é possível restringir liberdades individuais em razão de dívida civil'

Redação

28 de dezembro de 2018 | 19h02

Raquel Dodge. Foto: Antonio Augusto/Secom/PGR

Em parecer enviado ao Supremo, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, sustenta que o Judiciário não pode determinar medidas como apreensão de passaporte ou de carteira de motorista, suspensão do direito de dirigir e proibição de participar de concursos públicos ou licitações como forma de garantir pagamento de multa por pessoa condenada.

Documento

As informações foram divulgadas pela Secretaria de Comunicação Social da Procuradoria.

Para a PGR, essas medidas ‘representam restrição a liberdades individuais em razão de dívida civil e, por isso, violam a Constituição’.

A manifestação está na Medida Cautelar na Ação Direta de Inconstitucionalidade n. 5941/DF, ajuizada pelo PT.

A ação discute os dispositivos do Código de Processo Civil (CPC) que tratam do conjunto de poderes disponíveis ao juiz para garantir o cumprimento de ordens e decisões judiciais, inclusive as que envolvem obrigações pecuniárias e pagamento de multa.

Com o novo CPC, estão previstas medidas atípicas, possibilitando aos juízes inovações como, por exemplo, a apreensão de passaporte ou CNH, além da proibição de dirigir, participar de concurso público ou licitação.

O PT defende que a adoção de medidas desse tipo para garantir o pagamento de multa ‘afronta o princípio da proporcionalidade’ – pois liberdades estariam sendo restringidas em razão de dívida civil, o que não é permitido pela Constituição.

A ação pede a declaração de inconstitucionalidade parcial sem redução de texto.

O objetivo é que o Supremo considere inconstitucional apenas a hipótese de aplicação de medida atípica que viole as liberdades individuais de devedores.

Segundo Raquel, o Brasil apresenta um regime de baixa efetividade dos procedimentos de cumprimento de sentença, e a solução para esse gargalo exigiu uma resposta legislativa e judicial.

Por isso, foram previstas as medidas atípicas, que devem ser adotadas quando não é possível obter o cumprimento de uma sentença pelos caminhos típicos. No entanto, de acordo com ela, medidas como apreensão de passaporte e de CNH para obrigar o pagamento multa ‘ultrapassam as fronteiras do patrimônio da parte, atingindo suas liberdades fundamentais’.

A apreensão de passaporte e de CNH afronta o direito de ir e vir, e a proibição de participar de certames e licitações desrespeita a liberdade de contratar e de escolher livremente a profissão, todos garantidos pela Constituição.

A PGR lembra que o Código de Processo Civil diz que o devedor responde com seus bens presentes e futuros para o cumprimento de suas obrigações, salvo restrições estabelecidas em lei. “Dessa forma, garante-se que as liberdades e demais direitos individuais não sejam atingidos em razão do descumprimento do envolvido de deveres patrimoniais”, explica.

Segundo Raquel, é constitucional a cláusula geral que possibilita que o juiz fixe medidas atípicas. Mas ela lembra que o juiz não pode restringir de direitos não patrimoniais do devedor para forçar pagamento de obrigações.

“Em um Estado Democrático de Direito, apenas a lei pode autorizar a restrição de direitos não-patrimoniais para o cumprimento de prestações pecuniárias e isso desde que respeitados os direitos fundamentais”.

Uma exceção é, por exemplo, a previsão de prisão para quem deixa de pagar pensão alimentícia, destaca a Procuradoria. Nessa situação, a restrição de liberdade se justifica pelo princípio da dignidade humana, já que alimentos são necessidades básicas. “A liberdade do devedor é, portanto, temporalmente sacrificada para garantir a dignidade de alguém em posição de dependência ou vulnerabilidade”, diz a PGR.

Para Raquel, o Supremo deve acolher o pedido da ação, para determinar que o juiz pode aplicar, subsidiariamente e de forma fundamentada, medidas atípicas de caráter estritamente patrimonial, excluídas as que importem em restrição às liberdades individuais.